Neuroaprendizagem: curso ajuda a entender como o cérebro aprende

Atividade acontece em 30 de novembro, em SP. Público da Educação tem 50% de desconto. Saiba mais e se inscreva

Compartilhe
, / 0

A ‘Comunidade reinventando a educação’ (Core) convida educadores e pesquisadores a mergulharem no mundo interno de seus processos neurais e emocionais por meio do curso Neuroaprendizagem na prática, com o professor e doutorando em Neurociência Alexandre Rodrigues. A atividade acontecerá em 30 de novembro, das 8h às 18h, na região central da capital paulista.

O valor do curso chega a R$ 450, mas leitores da Educação ganham desconto de 50%. Clique aqui.

A aula orientará os participantes a compreenderem os processos de aprendizagem e, com isso, desenvolver dinâmicas em sala mais “assertivas”, mas também – e antes de tudo – fazer o público se autoconhecer.

Leia: Conceito “Mentalidades Matemáticas” desfaz mitos com base na neurociência

Estímulos

Apoiado na neurociência e na psicologia, Alexandre defende que é necessário estar claro para o professor e aluno, por exemplo, os benefícios da aprendizagem para si próprio, pois é essa compreensão que desenvolverá estímulos para aprender.

“Seres humanos são influenciados, entre outros requisitos, por planos futuros, ou seja, se o aprendizado trouxer uma solução a alguém e, esta solução se tornar mais clara, possivelmente o envolvimento deste aluno /colaborador será maior no tipo de informação que estamos dispostos a absorver. Portanto, simplesmente “passar” conteúdo, sem buscar meios de apresentar uma solução relevante, provavelmente será menos considerado e, consequentemente menos aprendido”, alerta o doutorando, que complementa: “ em nossos encontros apresentaremos diversos meios de como buscar e reter a atenção de nosso público foco, exercitando esta reflexão em um segundo momento”.

Alexandre resume parte de seus ensinamentos em uma Tríade da ação  — objetivo, benefício e estímulo — que traz a seguinte reflexão: por que alguém faria o que você quer sem motivos para isso?

Acompanhe o trabalho de Alexandre no Instagram (@neuroexpert).

Leia: Atividade física modifica a estrutura cerebral das crianças e melhora o desempenho cognitivo

Comunidade ancestral

A ‘Comunidade reinventando a educação’ realiza ações de trocas de saberes para disseminar na sociedade essa reinvenção que carrega em seu nome. Ajudar a população a compreender melhor o seu sentimento e até mesmo o que e como se aprende também é um dos objetivos.

“A ideia é trabalhar com o conhecimento que nos faz constituir como pessoa, para assim mudar o nosso paradigma de aprendizagem. Para nos desenvolvermos como seres humanos, primeiro precisamos aprender com nós mesmos”, afirma a presidente da Comunidade, Irene Reis, ao defender a importância do curso de neuroaprendizagem.

Irene critica que os cidadãos buscam sempre querer entender o que está fora. A escola, por exemplo, se preocupa em ensinar ciência e história, mas esquece do indivíduo.

Contudo, o modo de vida das comunidades tradicionais como dos povos indígenas está muito pautado em sua identidade, no seu eu. Atualmente, muitas escolas em aldeias primeiro ensinam a língua tradicional e seus costumes ancestrais para depois apresentar o mundo externo.

“Nós precisamos voltar para essa origem tribal para encontrarmos nossos propósitos e valores em comum. Afinal, antes de sair para o mundo você precisa entender sua origem”, desabafa a presidente.

neuroaprendizagem curso

Foto: Shutterstock

Leia também:

Estórias do tempo da velha escola (coluna José Pacheco)

Pesquisa de alunos do ensino médio chega ao espaço

Comentários

comentários

replica rolex

nudecelebvideo.net asexbox.com javset.net

PASSWORD RESET

LOG IN