21 anos de Enem: conheça a história do maior exame educacional do país

O Enem nasceu em 1998. De lá para cá se reformulou e é hoje em muitas regiões a porta de entrada para o ensino superior. Entenda a história do exame por meio de tópicos

Compartilhe
, / 0

1998 – O nascimento – O primeiro Enem teve apenas 157.221 inscritos. Desses, 115.575 foram fazer a prova. Entre os participantes, 53% tinha até 18 anos e 9% vinham de escolas públicas. Apesar de ter valido apenas para duas instituições de ensino superior (IES), foi aplicado em 184 municípios brasileiros.

1999 – De duas para 93 IES – Número de Instituições de Educação Superior (IES) salta para 93. São lançados os comitês técnicos e consultivos, o boletim da escola e o banco de dados do desempenho dos participantes. Sete mil agências dos Correios foram habilitadas para receber inscrições. O exame envolve 162 cidades.

Leia: Enem põe à prova o marketing das escolas

2000 – Acessibilidade – O atendimento especializado a pessoas com necessidades especiais chega ao Enem, ajudando 376 candidatos. A aplicação das provas começa a ser acompanhada por observadores indicados pelas secretarias estaduais de Educação e credenciados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A edição envolve 390.180 inscritos, sendo 66,5% com ensino médio completo, e é aplicada em 187 municípios em 27 de agosto.

2001 – Gratuidade e inscrições na internet – Alunos em conclusão do ensino médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) 12 meses antes da realização das inscrições passam a ter direito à liberação da taxa. O benefício é estendido aos que se declararem impossibilitados de pagar a inscrição, que começou a ser realizada pela internet. O Enem 2001 foi aplicado em 26 de agosto em 277 municípios.

2002 – Exame atinge metade dos formandos no médio – O Enem chega a 1.829.170 inscritos e é realizado em 600 municípios. A porcentagem de concluintes do ensino médio participantes bate nos 50%. Provas são realizadas em 25 de agosto.

2003 – Treineiros identificados – O ano de conclusão do ensino médio do participante é incluído no questionário socioeconômico da inscrição. Até então, todos eles se declaravam concluintes por falta de outras opções. A mudança permitiu que os treineiros fossem identificados – em 2003, eles representaram 19% do total de 1.882.393 inscritos. As provas foram aplicadas no dia 31 de agosto em 605 municípios.

2004 – Ao lado do ProUni – O recém-lançado Programa Universidade para Todos (ProUni) começa a tomar como base as notas do Enem para conceder bolsas de estudos parciais e integrais. O Inep inclui o campo CPF na ficha de inscrição. O exame registra 1.552.316 inscritos, 63% concluintes do médio e 68% com direito a isenção de taxa. As provas envolvem 608 cidades em 29 de agosto.

2005 – Explode a busca pelo ensino superior e surge a nota por escola – O ProUni provoca o aumento no número de participantes que buscam o Enem para entrar numa faculdade. Eles são 67%, ou dois a cada três do total de 3.004.491 inscritos. Os jovens com 18 anos ou menos representaram 44% dos participantes. A divulgação da nota por escola é adotada e o número de municípios envolvidos chega a 729. As provas são aplicadas em 25 de setembro, e não mais em agosto, como nos anos anteriores.

Enem

Foto: Shutterstock

2006 – “Democracia” financeira – Inscritos com renda familiar de até dois salários mínimos superam, pela primeira vez, a metade do total e chegam a 53,7%. Concluintes somaram 36% do total de 3.742.827 inscritos. As provas são aplicadas no dia 27 de agosto em 804 municípios.

2007 – Mais de mil municípios – Na décima edição do exame, o número de municípios envolvidos bate em 1.324. Mais de 70% dos 3.584.569 inscritos fazem os testes para entrar na faculdade e 69,5% deles apresentam renda familiar entre um e cinco salários mínimos. Provas voltam ao mês de agosto, no dia 26.

2008 – Uma década de existência – No aniversário de dez anos de criação, o Enem traz mais novidades. Inep e o MEC comunicam oficialmente que ele passa a ser também o sistema nacional de seleção para ingresso no ensino superior e a certificação do médio. Mais de 70% dos 4.018.050 inscritos afirmam fazer a prova com o objetivo de entrar em uma faculdade ou acumular pontos para o vestibular. A aplicação, em 30 de agosto, envolve 1.437 municípios em 30 de agosto.

Leia: Pesquisador chileno critica sistema de vouchers escolares: tende a aumentar desigualdades e segregação

2009 – Mudanças radicais – Com a adoção do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o Enem é submetido a uma mudança considerável de forma. Passa a abrigar 180 questões objetivas, 45 para cada área do conhecimento, e a redação. A prova é dividida em dois dias e o exame passa a certificar a conclusão do ensino médio. As matrizes de referência são reformadas com base nas do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja). Os inscritos chegam a 4.138.025 e as provas são realizadas em 1.830 cidades nos dias 5 e 6 de dezembro. A edição tem como marca também o vazamento da prova.

2010 – O Enem vira pré-requisito para o Fies – O Inep passa a colher dados sobre deficiências dos participantes na inscrição. Mais de 35 mil dos 3.420.999 participantes declaram algum tipo de condição especial. Os resultados do Enem passam a ser adotados pelo Fies. Exame é realizado nos dias 6 e 7 de dezembro em 1.700 cidades do país.

2011 – Maioria negra e parda – Neste ano, os participantes que se declaram negros ou pardos formam a maioria, com 53% dos 5.366.949 inscritos. As provas são aplicadas em 1.603 cidades em 22 e 23 de outubro.

2012 – Critérios de gratuidade ampliados – Inscritos de família de baixa renda, com Número de Identificação Social (NIS) registrado, renda familiar média de até meio salário mínimo por pessoa ou renda familiar mensal de até três salários mínimos também ficam isentos da taxa de inscrição e formam 70% do total de 5.791.066 inscritos. Exame é aplicado em 3 a 4 de novembro em 1.619 cidades.

2013 – Federais baixam em peso no Enem – Pela primeira vez, praticamente todas as universidades e cursos superiores federais assumem o Enem como critério de seleção. As notas passam também a ser usadas na concessão de bolsas do programa Ciência sem Fronteiras e divulgadas por escola com estratificação dos níveis socioeconômicos. Houve prova em 1.661 municípios, nos dias 26 e 27 de outubro.

2014 – A primeira portuguesa – A Universidade de Coimbra e Algarve, em Portugal, começa a aceitar o Enem e seu processo seletivo. É o início das parcerias com as IES. O uso do nome social do participante passa a ser admitido. As provas são realizadas nos dias 8 e 9 de novembro em 1.752 municípios.

2015 – Mapeamento dos treineiros – O número de treineiros, que utilizam o Enem para autoavaliação, é mapeado. Inep registra que eles representam 12% dos 7.792.024 inscritos. As provas são aplicadas nos dias 24 e 25 de outubro em 1.723 cidades.

2016 Por um Enem mais seguro A coleta de dados biométricos durante a aplicação da prova começa a ser feita. A ação é parte das medidas de segurança, que se tornaram mais rígidas com o uso de detectores de metais nas entradas dos banheiros dos locais de prova. Ao todo, 8.681.686 pessoas se inscrevem e 6.028.173 fazem as provas nos dias 5 e 6 de novembro em 1.727 cidades. Surge o aplicativo do Enem para facilitar a vida dos estudantes.

2017 – Consulta pública e provas em dois domingos Uma consulta pública é feita para identificar propostas de aperfeiçoamento. Provas passam a ser aplicadas em dois domingos, em 5 e 12 de novembro, com a redação no primeiro deles. Outras novidades foram a prova personalizada com nome e número de inscrição do participante e o identificador de receptor de ponto eletrônico, para segurança. O Enem ganha novo site. O Inep registra 6.763.122 inscritos.

2018 – Duas décadas este ano – O Enem faz 20 anos e ganha um novo logotipo, um documentário histórico e uma série de cinco minidocumentários sobre seus bastidores para comemorar a data. A solicitação de isenção da taxa de inscrição passa a ser feita antes da inscrição, e os isentos ausentes no ano anterior precisaram justificar o motivo para ter o benefício novamente. Com o aperto, a edição teve o menor índice de falta desde 2009. O tempo de duração da prova no segundo domingo aumenta em 30 minutos e a quantidade de detectores de ponto eletrônico, para descobrir fraudes, é multiplicada por cinco. O número de faculdades, universidades e outras IES portuguesas que admitem o Enem em suas seleções chega a 35.

2019 – As novidades – O Enem é um “adulto maduro” de 21 anos. E, em muitas cidades e estados do país, a única opção para o ingresso em IES públicas e privadas. A edição teve um novo sistema de inscrição na internet, mais interativo, com a opção de inclusão de foto do candidato. As provas, nos próximos dias 3 e 10 de novembro, terão rascunhos no final no caderno de questões. O participante que deixar algum aparelho eletrônico não citado na inscrição e exibido aos fiscais emitir qualquer som durante a prova será eliminado. Todos os lanches serão revistados no dia da aplicação.

Fonte: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Leia também:

Onda econômica liberal pode abrir caminho para expansão do ensino básico

Leitura digital: como aliar tecnologia e inovação à formação de novos leitores

Comentários

comentários

replica rolex

nudecelebvideo.net asexbox.com javset.net

PASSWORD RESET

LOG IN