Professores da rede pública são reconhecidos por projetos transformadores

Professor Henrique Macedo da EMEF Estação Jaraguá e professora indígena Retsitsiwi Renhinõiwe do EMEG-Butantã ficaram entre os dez finalistas do 3º Prêmio Territórios, do Instituto Tomie Ohtake

Compartilhe
, / 0

O 3º Prêmio Territórios, voltado a escolas e professores da rede pública de São Paulo, aconteceu em 8 de junho, e reconheceu atividades pedagógicas inspiradoras. Dentro os dez premiados, dois se destacam por valorizar o conhecimento e a resistência indígena. O evento é idealizado pelo Instituto Tomie Ohtake em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo.

Segundo a própria organização do Prêmio, o objetivo é mapear e reconhecer iniciativas da rede municipal de ensino que fortaleçam os vínculos entre as escolas e os territórios da cidade, a partir da visão de uma educação voltada à formação integral dos estudantes.

Leia também:

Um dos criadores do Pisa analisa o investimento público em educação no Brasil

Respeito à ancestralidade

O projeto Território Jaraguá, do professor Henrique Macedo, da EMEF Estação Jaraguá, tem como objetivo reconhecer as histórias e identidade do bairro por meio da fotografia e foi um dos finalistas. Entre as experiências, os jovens visitaram a Terra Indígena do Jaraguá, onde vivem os Guarani Mbya e acabaram tendo uma compreensão dos costumes ancestrais e da luta territorial.

Grafismo e culturas indígenas: arte, manifestação cultural e tradição é o nome do projeto da professora da etnia Guajajara, Retsitsiwi Renhinõiwe. Retsitsiwi desenvolve em seus alunos do CEU EMEG-Butantã, uma compreensão dos povos indígenas foro do estereótipo, respeitando suas crenças e simbologias. Até a disciplina de matemática se integrou às atividades, por exemplo, com as formas geométricas dos grafismos.

A lista das escolas premiadas é a seguinte: Slam Altino: ninguém cala o nosso grito! (EMEF Altino Arantes), Música de todos os povos (EMEI João Mendonça Falcão), Coletivo Feminista Estudantil (EMEF Sebastião Francisco, o Negro), Projeto Caminhos do Concreto (EMEF Júlio de Oliveira), Sementes dos Sonhos (CEU EMEF – Paulo Gonçalo dos Santos), Grafismo e culturas indígenas: arte, manifestação cultural e tradição (CEU EMEF – Butantã), Conhecendo e Sendo em São Paulo (EMEI Gabriel Prestes), Todos os territórios são nossos: a criança como protagonista na escola e na cidade. (EMEI Ricardo Gonçalves) e A quadra da escola é de quem quiser! (EMEI Afonso Sardinha.

professores projetos transformadores

Estudantes da da EMEF Estação Jaraguá com o professor Henrique Macedo na cerimônia de premiação (foto: Thiago Carvalho)

Leia também:

“Escrevem sobre os indígenas desde 1500, só que muitos não têm noção do que é um povo indígena”

Brasileira de 18 anos fica em 1º lugar na principal feira de ciências do mundo e terá asteroide com seu nome

Comentários

comentários

nudecelebvideo.net asexbox.com javset.net

PASSWORD RESET

LOG IN