Escolas de educação infantil rurais sofrem com falta de políticas públicas adequadas

No campo, o baixo percentual de matrículas é um dos reflexos dessa invisibilidade

Compartilhe
, / 0

A falta de vagas em creches e pré-escolas é um problema muito debatido nas áreas urbanas, tanto que o assunto não sai da pauta dos candidatos a cargos municipais. Porém, esse problema é ainda mais pronunciado nas áreas rurais, apesar de não haver praticamente nenhuma discussão em torno dele.

O Censo da Educação Básica 2018 mostrou que dos mais de 3,5 milhões de matrículas em creches, apenas 239 mil são em escolas do campo, o que representa 7%. Na pré-escola, a proporção é de 692 mil crianças para um total de 5,1 milhões, o que dá uma participação de 13%.

Posições ideológicas do MEC reacendem debate sobre alfabetização

Premiado filme libanês ‘Cafarnaum’ destaca infância e fluxos migratórios

Em relação ao último Censo Demográfico realizado (2010), as crianças de 0 a 3 anos das áreas rurais representam 17% do total. Na faixa de 4 a 6 anos, esse indicador é de 18,7%. Se considerarmos esses dados, a oferta possivelmente está aquém da demanda, principalmente nas creches.

Nas regiões Norte e Nordeste o quadro é um pouco melhor. São elas que têm, proporcionalmente, o maior número de crianças em escolas do interior, da floresta, em assentamentos e zonas ribeirinhas (veja mais abaixo). Bem diferente é o Centro-Oeste, que apesar do vasto território rural concentra 99% das matrículas de crianças de 0 a 3 anos em escolas urbanas.

De acordo com Ana Paula Soares da Silva, coautora dos livros Infâncias do campo (Autêntica, 2013) e Educação infantil do campo (Cortez Editora, 2012), há três grandes fatores por trás desse quadro. O primeiro deles é a falta de recursos enfrentada por grande parte dos municípios brasileiros. As cidades e regiões que concentram a maior quantidade de pessoas em área rural são também as mais empobrecidas, aponta.

escolas educação infantil rurais

Emef Prof. Hermínio Pagotto, assentamento Bela Vista – crédito: Gustavo Morita (2014)

Há também um desafio de ordem cultural relacionado à ideia de que a criança pequena não precisa de investimento em educação, pois caberia à mãe e à família se ocupar de sua criação. Essa concepção é muito forte na sociedade brasileira, inclusive entre os prefeitos, secretários de educação e políticos em geral, afirma a professora livre-docente da Universidade de São Paulo. Por fim, destaca-se a própria invisibilidade dos territórios rurais, que permeia todas as políticas públicas.

A falta de atendimento educacional adequado a essa população traz uma série de consequências, pois interfere na construção da identidade das crianças e na própria conservação das culturas do campo.

políticas públicas escolas rurais

Comentários

comentários

replica rolex

nudecelebvideo.net asexbox.com javset.net

PASSWORD RESET

LOG IN