Vale a pena educar

Professores e gestores com 18 anos de carreira fazem uma avaliação das mudanças educacionais ao longo desse tempo e refletem sobre o quanto suas funções mudaram

Compartilhe
, / 1601 0
© Gustavo Morita
Sandro Yoshio Kuriyama, Professor de matemática, Colégio Marista Arquidiocesano (SP)

Sandro Yoshio Kuriyama
Professor de matemática, Colégio Marista Arquidiocesano (SP)
Depois de um tempo lecionando você percebe que é hora de continuar os estudos. É preciso estar atualizado em todos os aspectos, desde especializações dos conteúdos até o uso das tecnologias, e é aqui que eu sinto a maior diferença nesses 18 anos. Jamais imaginaria uma sala de aula com tanta tecnologia como temos hoje. Os alunos têm acesso às informações em tempo real, cabe a nós orientá-los não só no sentido da veracidade mas também precisamos orientá-los em relação a como aproveitar essa informação e a incorporá-la em sua vida, em sua bagagem acadêmica. Não podemos ficar na reprodução dos conhecimentos, é preciso ir além, é preciso ter uma produção científica. Eu leciono em escolas particulares, públicas e cursinhos há 18 anos. São realidades bem distintas. Tudo o que disse sobre tecnologia, as escolas particulares vêm tentando acompanhar, mas as escolas públicas (exceto as ETECs) ficaram para trás. Enfim, é preciso amar esta profissão, pois o retorno em sala é maravilhoso, vivemos e aprendemos junto com esses adolescentes. A postura, a ética e as estratégias que adotamos podem fazer toda a diferença na vida deles. “A experiência que eu tive na escola foi interessante. A estrutura era boa, tinha algumas falhas, mas que escola não tem? O teto não era muito bom, às vezes chovia na sala; o banheiro precisava lavar, mas eram coisas normais.”

Leila Oliveira Costa
Professora universitária, Centro Universário Senac e Unip
Eu iniciei na educação infantil e foram 17 anos só lá. As crianças brincavam, tinham uma hora no parque. Hoje teve um esvaziamento de tudo isso. O brincar sumiu. Até 2004 eu ainda conseguia brincar com as crianças. Quando vieram os referenciais curriculares eles focaram muito o conteúdo de ensino e a educação infantil deu um passo para trás. Hoje eu dou aula em faculdade e vejo o resultado dessas crianças que cresceram sem brincar. Eu tenho salas com 120 alunos em que nenhum se fala. Eles não conseguem coabitar no mesmo espaço.”

© Gustavo Morita
Rejana Andrade, Ensino médio, Colégio Salgueiro

Rejana Andrade
Ensino médio, Colégio Salgueiro  
Acredito que com o advento da internet e das novas tecnologias todos os campos sofreram transformações e a educação não foi exceção. O “compartilhar” pode ser precioso se usado adequadamente. O professor não é mais o detentor do saber, nossa função hoje é mais de professor mediador, orientando o aluno para que ele consiga filtrar de modo crítico qual informação realmente é relevante e como usar a tecnologia adequadamente. Na relação professor – aluno também houve alterações. Antes, quando um aluno gostava muito do professor, ou queria conversar, ele recorria ao bilhete, ou a um recadinho no final da avaliação ou até mesmo esperava os colegas saírem para poder ter um pouquinho de atenção. As redes sociais mudaram isso também. É comum um aluno abordar o professor com um recado, só que digitalmente. E tirar uma selfie com o professor e postá-la pode ser considerado uma homenagem. E essa relação virtual perpetua o relacionamento que possivelmente acabaria com o fim do curso. Isso é muito positivo.

Claudiane Aparecida de Carvalho
Professora de língua portuguesa e literatura, ensino médio, Colégio Santa Catarina, São Paulo (SP)
“Quando comecei a dar aula, a principal dificuldade foi a falta de domínio do conteúdo da matéria. Isso eu fui adquirindo com o tempo, a faculdade não prepara a gente. Também tive problemas com indisciplina do ensino fundamental, que eu acho que é a fase mais difícil. Depois que comecei a ensinar para o ensino médio, achei melhor; eles são mais disciplinados e eu me identifico mais com a linguagem deles. Para isso estou sempre renovando. Eu nunca repito a mesma aula.”

Edson Eller
Colégio Concórdia
Nesse período minha função como professor passou de responsável por transmitir os conteúdos para ser um facilitador da busca por respostas e sistematização das ideias. No aspecto negativo percebo que não houve nenhum avanço no que se refere à valorização do docente no Brasil e em contrapartida houve uma sobrecarga de atividades e responsabilidades adicionais atribuídas a nós.

Juceme Rodrigues
Professor de filosofia, ensino médio, Colégio Santa Catarina, Juiz de Fora (MG)
Nesses 18 anos eu aprendi a acreditar que vale a pena educar e investir num ser humano e que ele é a razão de ser de toda aprendizagem. Uma das lições que eu tive foi a importância do fazer cooperativo. A segunda foi ter humildade, o que passa pelo reconhecimento do outro. A terceira é a lição da esperança. Eu aprendi a conservar o que de melhor eu tenho e sou: a utopia de não deixar de acreditar num ser melhor. Educar renova a gente. Nós forçamos a renovação através da educação; cada criança e jovem que a gente recebe faz com que renovemos a esperança de que amanhã será melhor, por isso vale a pena educar. Além da tecnologia, é importante não esquecer a relação pessoal, o cuidado, o zelo, o processo de socialização.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN