Uma angústia também além-mar

Congresso realizado na capital portuguesa com intelectuais de vários países mostra que dificuldade em formar leitores assola também nossos patrícios e seus vizinhos

Compartilhe
, / 796 0

António Prole:"a literatura não tem importância apenas em si"

Apesar de os estudantes portugueses apresentarem um desempenho bem melhor em leitura que os brasileiros, com média de 474 pontos na versão 2006 do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), contra 393, não deixam de causar preocupação a educadores e intelectuais do país, assim como aos estrangeiros que visitaram Portugal por ocasião do Congresso Internacional de Promoção da Leitura (CIPL) – Formar Leitores para Ler o Mundo. O evento, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, aconteceu em janeiro último e foi dividido em 4 painéis temáticos. Segundo a organização, contou com a presença de 1.600 pessoas, entre professores de vários ciclos da educação, bibliotecários e leitores em geral.

A importância da mediação de leitura foi ressaltada em um cenário de crescimento de um fenômeno que se verifica até em países de grande tradição leitora, como a França ou os Estados Unidos: a incapacidade de compreensão do que se lê, ou seja, a capacidade apenas de visualizar quais palavras estão escritas, sem a percepção dos sentidos de sua junção no texto.

Dono de um discurso contestador, filósofo por formação, o português António Prole, idealizador do projeto Casa da Leitura, expôs números da educação em Portugal, "país que em 2004 tinha 9,1% de analfabetos, com cerca de 50% de jovens com 15 anos a freqüentar o sistema de ensino, incapazes de compreender uma frase familiar". Prole reconhece a complexidade dos problemas que o país enfrenta no domínio da leitura e considera a formação dos mediadores de leitura uma questão central na luta em favor do letramento – ou da literacia, termo usado pelos portugueses em tradução direta do inglês, literacy.

O espanhol Pedro Cerrillo, catedrático de Didática da Língua e Literatura na Universidade de Castela-Mancha, realçou a importância do mediador na criação de hábitos leitores: "na infância e na adolescência os leitores estão em níveis distintos e progressivos em suas capacidades de compreensão leitora e de recepção literária. Na literatura infantil, o mediador é o primeiro recebedor da obra, que facilitará o caminho para realizar as leituras e também para escolhê-las".

A formação do mediador de leitura deve enquadrar-se em um processo sistematizado e coerente, segundo Cerrillo, que define alguns requisitos para tanto: "ser um leitor habitual, conhecer um grupo e ter capacidade para promover a participação desse grupo, uma certa dose de imaginação e criatividade. Possuir formação em três áreas: literatura, psicologia e didática. Ter conhecimento sobre o processo leitor e sobre um certo cânone de leituras literárias, além de ter teoria e prática de técnicas e estratégias de animação leitora".

Houve consenso sobre o papel que a leitura literária desempenha na aquisição da habilidade leitora e de hábitos permanentes de leitura, sejam eles literários ou não. Mas António Prole é provocativo e põe em perspectiva essa visão sobre a leitura literária. "Nesta luta contra a iliteracia, a literatura não tem importância em si, mas só na medida em que é um instrumento capaz de formar leitores competentes, capacitados para lerem textos complexos, capazes de lerem nas entrelinhas e no não dito." O texto literário é o que mais interpela o jovem leitor. A leitura literária desperta o diálogo afetivo do leitor com o texto.

Desde a década de 70, o livreiro catalão e contador de contos Pep Duran tem contato com famílias, escolas e bibliotecas. Por meio de sua experiência, Pep percebeu que o ato de ler não depende somente da aprendizagem e da prática leitora, mas principalmente da decisão de ler. Decisão que mora na memória sensitiva do corpo e na sensação de fruição que o corpo experimentou e que tem a promessa de recuperar, ao decifrar os sons e os significados das palavras lidas em cada texto. Além de apresentar sua visão própria sobre a leitura, Pep narrou contos. Narrou com os livros nas mãos, mostrando as ilustrações e sacando objetos que trouxe consigo. Uma apresentação sob medida para despertar a imaginação da audiência.


O catalão Pep Duran: presença performática em congresso pela preocupação com a leitura literária

Foi uma das intervenções mais comentadas durante o congresso. Para Paula Mourão, responsável pela Direção Geral do Livro e das Bibliotecas, a intervenção foi muito significativa, pois a leitura não é uma questão formal. "A leitura é uma coisa que tem que ver com a vida das pessoas, com sermos melhores cidadãos. Não é, de fato, um ornamento, é alguma coisa essencial para a vida de todos, em qualquer idade."

A escritora brasileira Ana Maria Machado, premiada em 2000 com o Prêmio Hans Christian Andersen (o mais importante prêmio de literatura infantil), não participou do CIPL, mas foi citada por especialistas. Galeno Amorim, jornalista brasileiro e especialista em políticas públicas do livro e leitura, sintetizou o panorama da leitura no Brasil: o Brasil possui 95 milhões de leitores, em contraste estão os 77 milhões de cidadãos que não lêem sequer um único livro por ano. Para Galeno "é fundamental ler, não importa o suporte. Ler (ou ouvir ou tatear) livros, revista, jornais, histórias em quadrinhos, tudo. Mas, sobretudo, ler literatura, nos seus mais diferentes gêneros."

O fim do encontro aconteceu com a mesa-redonda "A leitura em debate", com a participação do filósofo basco Fernando Savater e dos portugueses José Barata Moura, da Universidade de Lisboa, e Eduardo Marçal Grilo, da Fundação Calouste Gulbenkian e ex-ministro da educação português. Savater escolheu uma veia bem-humorada para discorrer sobre o tema: "Se alguém realmente entra na leitura, muda de vida e se converte em um ‘homo lector’, uma variante de um ser humano normal. Mas quando a leitura se apodera de uma pessoa, desde pequena, isso, pouco a pouco, a transforma em alguém quase unilateral", acrescentou.
 
Savater ilustrou o que os livros podem causar aos leitores, sublinhando que vem "de um país cuja figura literária mais emblemática é, precisamente, uma pessoa que enlouqueceu por ler tantos livros (Dom Quixote)". "A partir daí, a maioria dos espanhóis decidiu evitar esse perigo e quase nenhum segue por esse caminho que levou Dom Quixote por tão maus passos", frisou, causando o riso generalizado.

Os responsáveis pelo congresso informaram que os conteúdos apresentados nas intervenções estarão disponíveis no sítio da Casa da Leitura (
http://www.casadaleitura.org/

).

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN