Criador da Teoria das Inteligências Múltiplas quer aplicar novo projeto no Brasil

Psicólogo norte-americano Howard Gardner, esteve no país para apresentar seu novo estudo, o “Trabalho do Bem”

Compartilhe
, / 2963 0

Num mundo em que a definição do que é bom ou ruim passa pelas curtidas nas redes sociais, e em que as opiniões e desejos individuais muitas vezes se sobrepõem à coletividade, o psicólogo norte-americano Howard Gardner, criador da Teoria das Inteligências Múltiplas, defende que a educação seja um espaço para formação de bons cidadãos e bons trabalhadores, engajados na promoção do bem-estar da sociedade.

Esse é o mote do projeto Trabalho do Bem (The Good Project, em inglês), cujos resultados foram apresentados por Gardner durante o Congresso Socioemocional LIV, o programa de habilidades socioemocionais do Eleva Educação, realizado em agosto.

Para ele, a sociedade contemporânea exige o fortalecimento da ética, do comprometimento e da excelência, pilares do Trabalho do Bem.

Criado em 1997, a partir de um projeto sobre a criatividade humana, é uma iniciativa multidisciplinar, que conta com a participação de pesquisadores de diversas áreas da Universidade Harvard, onde Gardner atua.

O projeto integra várias linhas de ação – da disseminação do conhecimento produzido em artigos científicos e livros ao desenvolvimento de “caixas de ferramentas” para serem usadas em atividades práticas realizadas em ambientes como escolas ou organizações sociais.

A intenção é provocar a reflexão dos estudantes e demais participantes sobre as implicações de suas visões de mundo e seus atos, por meio da proposição de dilemas éticos relacionados a diferentes áreas, tais como trabalho, cidadania, participação político-social  e a influência das mídias digitais sobre os jovens.

Além dos Estados Unidos, o projeto já foi desenvolvido na Dinamarca, Índia e Holanda. Segundo ele, a intenção agora é ampliar esse leque, desenvolvendo pesquisas e materiais em parceria com pesquisadores de outros países, tais como o Brasil.

Gardner defende que promover “o bem” é crucial na sociedade contemporânea, pois vivemos um momento em que é preciso refundar algumas definições como, por exemplo, a de cidadania.

Segundo ele, não temos mais clareza do que é ser “um bom cidadão”, num contexto em que as visões tradicionais deixaram de fazer sentido.

Daí a centralidade da educação, enquanto um campo fértil para o desenvolvimento humano, ou seja, ultrapassando a dimensão cognitiva e incorporando os aspectos de natureza socioemocionais – tal como preconizado por Gardner desde a década de 1980, quando a teoria das inteligências múltiplas veio a público, afetando profundamente a maneira como se pensa e se trabalha em educação.

Teoria das Inteligências Múltiplas

“As crianças podem ouvir ou não o que você diz, mas elas sempre vão perceber o que você faz” (foto: divulgação)

Leia a seguir a entrevista que Gardner concedeu à revista Educação.

O senhor visitou o Brasil para apresentar o projeto Trabalho do Bem. O que é este projeto e por que as pessoas precisam ser “boas” nos dias de hoje?  O que significa ser “bom” numa sociedade tão competitiva e segmentada como a nossa?

Boa pergunta. A maneira como definimos “bom” é, de fato, importante. Minha definição de bom vai além do bem-estar.

Citando o filósofo John Rawls [1921-2002], eu defendo um mundo no qual as pessoas não sejam definidas pelo seu status, no qual não saibamos, antecipadamente, qual é a nossa posição social.

Quando uma pessoa assume essa postura, o “autoengrandecimento” perde espaço para a percepção das diferenças entre os indivíduos e grupos.

Também são relegadas a um plano secundário as tentativas de se desenvolver um mundo no qual todos tenham uma chance justa de desenvolver seu potencial e no qual ninguém seja impedido de atingí-lo.

Existem muitas definições do que é ser um bom vizinho, por exemplo. O desafio da sociedade atual é estabelecer com clareza o que significa ser um bom trabalhador e um bom cidadão.

E é justamente nessas dimensões que os valores preconizados em textos religiosos ou pelas culturas tradicionais não funcionam como referências suficientes, pois muitos aspectos do mundo moderno não poderiam ser antecipados nos séculos e décadas passadas.

Como funciona o projeto Trabalho do Bem? Ele foi concebido para escolas?

Muitas das pesquisas realizadas no âmbito do projeto investigam o que significa ser um bom trabalhador e um bom cidadão, especialmente nos Estados Unidos contemporâneo.

Nossa intenção é testar nossas teses e materiais em outras culturas, e o Brasil é um dos mais cotados para essa experiência. Para tanto, é necessário desenvolver materiais e métodos de pesquisa em parceria.

Nós propusemos vários desafios aos estudantes. Por exemplo, “o que você faria se tivesse um professor de quem gosta muito, mas que é muito exigente e raramente dá notas altas?”.

Ou: “um amigo pergunta a você, através de um post numa rede social, o que você pensa da aparência dele. Você pode responder a ele de maneira anônima. Você seria honesto, mesmo se tivesse de ferir seus sentimentos?”

Essas perguntas e as respostas que obtivemos fazem sentido no contexto dos Estados Unidos, mas nós não estamos certos de que elas vão funcionar, ou se estudantes de outros países desenvolvidos ou em desenvolvimento vão responder da mesma maneira como os estudantes de classe média americanos.

Não somos chauvinistas a ponto de acreditar que os Estados Unidos estejam certos ou que fazem melhor que os outros – especialmente na era Donald Trump, que não é “bom” segundo nenhuma definição no campo do trabalho ou no da cidadania.

Está sendo implementada no Brasil a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que provavelmente vai acarretar uma grande mudança dos currículos escolares no país. Um dos pontos é o fato de a Base estabelecer, como dez competências fundamentais, competências socioemocionais. Como o senhor vê o desenvolvimento de habilidades socioemocionais na educação?

Tanto o desenvolvimento da “bondade” quanto o desenvolvimento socioemocional tendem a ser maiores nos contextos em que os adultos e as crianças mais velhas adotam bons comportamentos e boas atitudes.

Uma pessoa pode ter feito todos os exercícios possíveis e podem existir regras para tudo, mas, se elas não vivenciarem no dia a dia – na escola, no pátio da escola, nas lojas, nas instituições religiosas, na mídia (inclusive nas redes sociais) – , o “discurso” faz pouca diferença. Eu sempre uso a seguinte frase: “as crianças podem ouvir ou não o que você diz, mas elas sempre vão perceber o que você faz”. E eu acrescentaria, o que você NÃO faz.

Há cerca de 30 anos, o senhor foi um dos pioneiros a falar sobre a inteligência de uma maneira ampliada, o que teve um importante efeito na maneira como as pessoas enxergam e compreendem a inteligência e a educação.Como o senhor vê os desenvolvimentos da Teoria das Inteligências Múltiplas na educação em seu país e em outras partes do mundo?

Sem dúvida, o meu trabalho e o de colegas como Daniel Goleman (autor de Inteligência emocional) afetaram como os educadores lidam com seu trabalho e com seus alunos. Não é mais possível defender que existe apenas uma maneira de ser inteligente.

Eu diria que nós tivemos uma influência enorme nas práticas, o que fica evidente no livro Múltiplas inteligências ao redor do mundo, que publiquei em parceria com Seana Moran.

Nessa obra, 42 educadores de 15 países em cinco continentes escreveram sobre como suas práticas foram modificadas pela teoria das Inteligências Múltiplas.

Museus, bibliotecas e parques temáticos foram criados a partir da ideia de inteligências múltiplas, e frequentemente fico sabendo de escolas que recebem o meu nome ou que incluem o termo “inteligências múltiplas” no nome.

Muitas dessas escolas e organizações reportam aumento da motivação dos estudantes e, às vezes, melhoria dos resultados individuais ou da própria escola. No entanto, não costumo acompanhar em detalhe como são esses experimentos ou se eles perduram.

Então, sinto-me mais seguro para afirmar que minhas ideias modificaram mais como as pessoas pensam do que como suas práticas foram afetadas.

Por exemplo, eu sugiro que os professores “individualizem” tanto quanto possível, ou seja, que eles procurem conhecer ao máximo o estudante e ensinar a ele de uma maneira que faça sentido, levando-o a desenvolver seu próprio entendimento – claro que isso é mais fácil de fazer numa era altamente tecnológica.

Eu também sugiro que o educador “pluralize”, quer dizer, decida o que realmente é importante e ensine essa ideia ou conceito de várias maneiras, alcançando, portanto, as diversas inteligências.

A “pluralização” pode ser praticada em qualquer ambiente educacional, se o professor tiver um aluno ou se ele tiver mil alunos.

E, novamente, é mais fácil fazer isso numa era altamente tecnológica.

Quais são as perspectivas para o futuro, na sua visão, considerando o aumento da influência da tecnologia e das máquinas nas nossas vidas? O que é ser humano nesse contexto?

Nenhuma máquina ou tecnologia controla o que fazemos. Um lápis pode ser usado para cegar uma pessoa ou para escrever um belo poema.

Da mesma maneira, a inteligência artificial e virtual pode ser usada para curar doenças ou para desenvolver armas nucleares.

Obviamente, é melhor que as máquinas nos ajudem a construir um mundo bom, em vez de um mundo destrutivo.

Depende de nós e das próximas gerações decidir se as máquinas serão amigas, inimigas ou parceiras.

Leia também:

Velocidade dos avanços tecnológicos destrói empregos e gera desigualdade

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN