Professores ignorantes

Pior do que o educador que não sabe ler é aquele que faz os outros acreditarem em intenções que o autor não teve

Compartilhe
, / 977 0

Durante muitos anos, o compositor português Lopes-Graça (1906-1994) foi perseguido pela polícia política, por ser homem de escrever verdades. Numa das suas polémicas intervenções, travou-se de razões com um tal Coelho, músico protegido pela Ditadura de Salazar (1932-1968). Publicou um opúsculo de tal modo que chegou aos leitores sem ficar exposto aos cortes do “lápis azul”. E foi um êxito editorial, até ao momento em que a polícia política invadiu as instalações da editora e apreendeu o que restava dos exemplares.

Como era uso nessa época de privação das liberdades, o título do livro teria de despistar os meirinhos da censura. Na capa, estava escrito “A Caça aos Coelhos”. E foram milhares os caçadores que o compraram…

Em Portugal, jornais publicaram rankings de escolas, na cretina atitude de pretender comparar escolas com diferentes características. Publiquei um artigo, denunciando a tal farsa. Recebi de muitos professores cartas de elogio e incentivo.

Fiz publicar o mesmo artigo no jornal da minha terra, como gesto de solidariedade para com uma escola que conheço e que estava nos últimos lugares do ranking. Decorridos alguns dias, professores dessa escola nem sequer um bom-dia me davam.

Estranhei. Semanas depois, compreendi: a directora dizia que eu tinha publicado um artigo atacando a sua escola. Ela leu o que não estava escrito, movendo-me um autêntico processo de intenções.

Há professores que não lêem. Outros lêem e não entendem o que lêem. E bem pior são os que utilizam o que não se entende como arma de arremesso, fazendo crer a outros intenções que o autor não teve. Uma sociedade de “grau zero de literacia” (não é só no Brasil que o analfabetismo funcional prospera) é terreno fértil para que indivíduos sem escrúpulos se recusem a discutir a realidade, a partir de outro ponto de vista que não seja o seu.

Ler é diferente de compreender, pressupõe o domínio de vocabulário, estrutura sintáctica, conteúdo. A atitude do leitor e os seus preconceitos, ou seu interesse relativamente ao texto lido, influenciam a interpretação. Ser leitor pressupõe ser capaz de distinguir entre factos e opiniões, captar o significado literal, as asserções directas, as asserções paralelas, as paráfrases. O domínio da linguagem pode ser afectado pela rigidez de ideias, por carência de capacidade discriminativa. Ser letrado não significa apenas saber ler e escrever, mas ser funcionalmente letrado.

As nossas escolas dispõem de excelentes profissionais, mas albergam, também, docentes cuja iliteracia nos deve inquietar.

Enquanto professor de universidade, eu tive a ingrata surpresa de verificar que muitos alunos, que pretendiam ser professores (e que, hoje, o são!) eram incapazes de alinhavar uma ideia, de redigir um parágrafo sem erros ortográficos, de interpretar um texto de complexidade maior.

De que serve ocultar a realidade? Ter um canudo não faz de um licenciado uma pessoa culta. É preciso admitir uma dolorosa realidade: num país de “doutores”, nem só entre o povo simples a ignorância prospera… também há professores ignorantes.


José Pacheco


Educador e escritor, ex-diretor da Escola da Ponte, em Vila das Aves (Portugal)

josepacheco@editorasegmento.com.br

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN