Pode o professor falar?

No início do mês de maio, a Assembleia Legislativa de Alagoas promulgou uma lei que gerou um extenso debate entre educadores e educandos (os …

Compartilhe
, / 346 0

i522255 No início do mês de maio, a Assembleia Legislativa de Alagoas promulgou uma lei que gerou um extenso debate entre educadores e educandos (os de hoje e de os outrora), principalmente nas redes sociais. A Lei n.º 7.800/16 institui o programa Escola Livre no estado, e proíbe os professores e gestores escolares de praticar “doutrinação política e ideológica” e quaisquer outras condutas nos espaços de ensino “que imponham ou induzam aos alunos opiniões político-partidárias, religiosa ou filosófica”.

O texto também estabelece que ao docente não cabe fazer “propaganda político-partidária em sala de aula” e incitar “seus alunos a participar de manifestações, atos públicos ou passeatas”. Entre as justificativas para a existência da lei constam, em seu próprio teor, a garantia do “pluralismo de ideias no âmbito acadêmico” da educação básica e “da liberdade de consciência e de crença asseguradas pela Constituição Federal”. No início do mês de maio, a Assembleia Legislativa de Alagoas promulgou uma lei que gerou um extenso debate entre educadores e educandos (os de hoje e os de outrora), principalmente nas redes sociais. A Lei n º 7.800/16 institui o programa Escola Livre no estado, e proíbe os professores e gestores escolares de praticar “doutrinação política e ideológica” e quaisquer outras condutas nos espaços de ensino “que imponham ou induzam aos alunos opiniões político-partidárias, religiosa ou filosófica”.

Por outro lado, educadores têm alegado a inconstitucionalidade da medida, defendendo justamente a liberdade e a pluralidade de pensamento na educação. Ainda no início de maio, o ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante encaminhou uma carta à Advocacia Geral da União (AGU), em nome do MEC, alegando que a Lei fere a Constituição Federal por “estabelecer censura de determinados conteúdos e materiais didáticos, além de proibir o livre debate no ambiente escolar”.

O órgão está analisando o caso. Além disso, já foi apresentado na Assembleia Legislativa de Alagoas um projeto de lei para anular o efeito legal do programa Escola Livre. O Sindicato dos Professores e outras entidades representativas dos trabalhadores de educação no estado planejam encaminhar ao Supremo Tribunal Federal uma ação direta de inconstitucionalidade da medida.

A polêmica fez com que as tramitações de leis semelhantes à de Alagoas viessem à tona na mídia. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, na Câmara dos Deputados, em pelo menos nove Assembleias Legislativas e 17 Câmaras Municipais do país tramitam projetos que visam proibir a abordagem de temas políticos, religiosos e sexuais nas escolas. O projeto de lei 121/2016 que tramita na Assembleia Legislativa do Espírito Santo, cujo teor proíbe a “doutrinação ideológica” em escolas estaduais, por exemplo, já está até sendo reconhecido como “lei da mordaça”, apelido criado pelo Sindiupes, sindicato dos trabalhadores em educação.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN