O jogo da educação

Assim como um jogador de futebol, o educador deve analisar e interpretar o que ocorre em sala de aula, mirando no gol da inteligência: o conhecimento

Compartilhe
, / 807 0





iStockphotos

A uma certa altura do seu instigante livro Veneno remédio: o futebol e o Brasil, José Miguel Wisnik menciona, en passant, uma figura importante do futebol carioca: Neném Prancha, “técnico de futebol de praia e filósofo”. Esta figura merece ser lembrada. Seu pensamento sobre a prática do esporte nacional pode inspirar uma pedagogia genuinamente brasileira.


Neném Prancha (1906-1976) era o apelido de Antonio Franco de Oliveira, natural de Rezende (RJ), roupeiro e massagista do Botafogo de Futebol e Regatas, que também atuava como técnico e orientador de muitos jogadores de uma modalidade esportiva típica do Rio de Janeiro: o futebol de praia. Foi nas areias de Copacabana, Leme e Leblon que Neném Prancha construiu sua carreira e sua fama de mestre do futebol.


João Saldanha o imortalizou em suas crônicas. Armando Nogueira o condecorou com o título de “filósofo do futebol”. E o cronista esportivo cearense Pedro Zamora (pseudônimo do Brigadeiro Jocelyn Brasil) escreveu um livro, Assim falou Neném Prancha (Editora Crítica, de 1975), em que faz as vezes de um platão contemporâneo, absorvendo e organizando o ensinamento de um Sócrates brasileiro que nada escreveu, mas, com suas palavras cheias de sabedoria prática, formou inúmeros jovens na arte de tocar a bola, no Rio de Janeiro das décadas de 1950-1970.


A leitura do jogo
Para Neném Prancha, todo jogador deveria saber “ler o jogo”. Graças a essa “leitura”, um jogador entende o que está se passando em campo, participa com mais consciência, realiza as melhores ações, toma as decisões acertadas para que o jogo possa fluir bem, em direção à vitória.


Mutatis mutandis, jogar no campo educacional é alfabetizar-se pedagogicamente. O que nos leva a interpretar com mais precisão o que ocorre em sala de aula, e para além de suas linhas e seus tempos regulamentares.


Se, no futebol, o capitão do time, o goleiro e o técnico são os principais leitores do jogo, em cada partida do ensino (e toda partida deve ser um clássico!), cabe especialmente aos professores analisarem o que está acontecendo no “gramado”: Quem está envolvido e atuante, “suando” a camisa para aprender melhor? Quem está fazendo “corpo mole”, só fingindo acompanhar as jogadas? quem precisa “treinar” mais para ganhar fôlego e correr com maior velocidade? Existe colaboração e solidariedade entre os “alunos-jogadores”?


Ler o jogo – explicava Neném Prancha – requer “olhos livres”. Ou seja, é preciso “carregar a bola, passar ou chutar, sem ter de empenhar os olhos na execução desse gesto”.


Na prática docente, os olhos livres significam visão ampla do que está acontecendo, ao mesmo tempo que são realizadas aquelas ações típicas do jogo educacional. Durante a chamada ou quando faz aos alunos alguma recomendação mais ou menos rotineira, o professor também acompanha o nível de atenção dos alunos, as possíveis tensões, quem está na retranca, os riscos do tédio, a necessidade de trazer de volta para o jogo algum aluno que esteja dormindo no banco dos reservas…


Saber chutar
Na linguagem estudantil, “chutar” significa responder a uma questão sem conhecimento de causa, arriscar uma resposta cegamente, “no escuro”, por falta de estudo. No entanto, nem todo chutar tem essa conotação negativa. Não tentar responder (treinando melhor a pontaria desses chutes) inviabiliza o aprendizado.


Para citar de novo o sábio Neném Prancha, que adorava dizer obviedades imprevisíveis, “na história do futebol não se registrou até hoje um gol sequer que não tivesse sido consequência de um chute a gol”.


Na ciência, na arte, na pesquisa intelectual, quem não levanta hipóteses, quem não tenta acertar, quem não tenta fazer o gol… não faz gol nenhum.


O medo de errar, a vergonha de ser chamado de mero “chutador”, o receio de arriscar e falhar não se coadunam com a vontade consciente e alegre de participar no jogo do conhecimento.


A bola está rolando. A torcida (a sociedade, a família, as empresas, a comunidade acadêmica…) cobra resultados, e belas jogadas. Alguém precisa chutar a bola, ou corremos o risco de um melancólico zero a zero. Todo professor reconhece a importância de contar com alunos participativos, falantes, perguntadores, pesquisadores, que saibam (respeitando as regras do jogo!) criar chances de gol… e consumar o gol!


Como jogador experiente, o professor dá o pontapé inicial, incentivando seus alunos a tocarem a partida. É a hora de driblar, cabecear, ir ao ataque, não descuidar da defesa (dos valores), é a hora de conservar a posse da bola, e de passá-la adiante. E nada de fazer firula – atitude desnecessária e improdutiva, perda de tempo precioso na busca do conhecimento.


O conhecimento é o gol da inteligência. O gol que um aluno faça será comemorado por todos os colegas. Especialmente pelo professor, que ali está para conduzir novas jogadas, animar, incentivar, criar oportunidades para uma goleada do saber. Neném Prancha sentenciava: “Você jamais será um goleador se tiver medo de perder gol”.


O indisplicente e o craque
O neologismo “indisplicente” foi criado por Neném Prancha para designar o jogador que reúne em seu comportamento a indisciplina e a displicência. O jogador indisplicente ainda não aprendeu a jogar. A alegria autêntica de jogar convive perfeitamente com a seriedade e a responsabilidade. Merece comemorar a vitória quem se dedicou a conquistá-la sem rancor e sem vaidade. Neném Prancha censurava o jogador que, na base do grito, quisesse questionar as decisões do juiz. O juiz existe para julgar. O jogador, para jogar. Que cada um cumpra o seu dever!


O dever lúdico é um paradoxo também na educação. O professor sonha ter uma turma de craques, uma seleção acima da média. O craque, ao contrário do indisplicente, não pisa na bola, não perde a cabeça, não joga de salto alto. Para ser craque é preciso treinar com humildade, dedicar-se sempre… e ambicionar o título! Não pelo título em si, mas perseguindo o crescimento pessoal como precondição necessária para alcançar o título.


A melhor forma de convencer o indisplicente a rever suas atitudes e agir como um craque é mostrar-lhe o valor fundamental da vida, do estudo e do futebol. Neném Prancha disse certa vez para um zagueiro indisplicente e truculento: “Futebol é coisa bonita, para ser jogado com técnica. Não é preciso agir com força bruta para vencer o jogo”.


Como o futebol, a educação é, no fundo, uma coisa simples. Mas muito exigente!


* Gabriel Perissé (www.perisse.com.br) é doutor em Filosofia da Educação (USP), pesquisador do NPC – Núcleo Pensamento e Criatividade

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN