Na sala da orientação educacional

Criação de diálogos: aluno canta rap com palavrões na volta da excursão e orientador adverte

Compartilhe
, / 504 0
orientação educacional

Foto: Shutterstock

— Quer dizer que o senhor estava cantando rap na volta da excursão com palavrões e ofensas racistas.

— Estava sim, mas era baixinho, só quem estava perto ouvia.

— Entendi. Isso significa, então, que um palavrão ou ofensa racista ditas em tom baixo não são palavrões e ofensas, certo?

— Não. Não é que não são. Mas não ofendem ninguém, era só uma brincadeira.

— Sim, tirando a quem as referências foram feitas, ninguém mais foi ofendido, não é?

— Uma pergunta, a ofensa é ofensa por conta do que foi dito ou pelo volume do que foi dito?

— Pelo que foi dito…

— O professor da excursão ouviu porque ouve bem ou porque era possível ouvir do banco da frente o que foi dito no último banco do ônibus?

— É que não estava muito baixo, né?

— Se estivesse muito baixo e o professor não tivesse ouvido, não seria ofensa?

— Sim, seria, mas ele não ouviria.

— E se ele não ouvisse, você não estaria aqui e não seria sancionado com uma advertência, não é mesmo?

— Eu serei advertido?

— Sim. Será.

— Não é justo que eu seja advertido sem ter sido orientado antes. Você é meu orientador, deveria ter me orientado antes de me punir. Se eu soubesse que cantar o que cantei no ônibus me levasse a uma advertência eu não seria punido.

— Entendi. Você alega que cantou porque não sabia que não tinha o direito de cantar o que cantou. E se fosse orientado antes não teria feito o que fez, certo?

— Isso mesmo.

— Me deixa pensar. Vou tomar uma água e já volto. Ah, por favor, não pegue meu celular que está sobre a mesa.

— Como assim, está me chamando de ladrão?

— Não. Não estou. Apenas dei uma orientação a você. Essa orientação o incomodou?

Leia também:

A expansão das escolas bilíngues no Brasil

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN