Mulheres, mulheres, mulheres

Há duas maneiras de olhar o Oscar de 2018: por um lado, um aparente reforço do protagonismo feminino; por outro, que tudo continua mais ou menos como antes