Mil e uma histórias

Mesclando fatos históricos com observações sobre aspectos culturais, sociais e políticos do Irã, autor compõe um retrato interessante desse país, berço de uma das mais antigas civilizações do mundo

Compartilhe
, / 863 0
Reprodução
Acontecimentos históricos, celebrações religiosas e hábitos culturais são alguns dos temas presentes no livro

 

Depois de esmiuçar a história e a cultura dos espanhóis, franceses, japoneses e outras populações, a série “Povos e Civilizações”, da editora Contexto, volta-se agora para os “Os iranianos”. Como nos volumes anteriores, este também é assinado por um correspondente, Samy Adghirni, da Folha de S. Paulo, que durante mais de dois anos viveu no país. Em contato com lideranças políticas, econômicas e religiosas e, sobretudo, com a população local, o jornalista captou aspectos, alguns deles curiosos, sobre os hábitos de vida dos iranianos e suas posições em relação aos mais variados assuntos.

Esses trechos rendem bons momentos de leitura e tornam possível dimensionar o impacto de certos acontecimentos na vida da população, como os efeitos do recente embargo econômico imposto pelos Estados Unidos e a ascensão de Hassan Rohani, o presidente que substituiu o polêmico Mahmoud Ahmadinejad. Com o cuidado de evitar e, inclusive, desmistificar estereótipos – a proposta da série –, Adghirni faz revelações surpreendentes sobre o modo de vida dos iranianos que habitam as grandes cidades, um estilo bem diferente daquele propagado pelo islamismo, que parece não comportar atitudes liberais como as descritas no livro.

#R#

Bem fundamentada, a obra cobre os principais eventos históricos do país, mas se detém principalmente sobre a Revolução Islâmica, de 1979, que pôs fim ao reinado de Reza Pahlavi, sempre lembrado por seus esforços de aproximar o Irã do Ocidente no campo das relações políticas, sociais e econômicas. O período é descrito com nostalgia por muitos até hoje, segundo o jornalista, mas ruiu pelo excessivo distanciamento da religião, atitude que culminou com a chegada ao poder do aiatolá Khomeini, que transformou o Irã em um Estado islâmico.

A tensa relação dos iranianos com os Estados Unidos e com Israel e os históricos conflitos religiosos entre sunitas e xiitas também são abordados com atenção, da mesma forma que o legado cultural do país, famoso pela produção dos tapetes persas, pela literatura, sendo as Mil e uma noites o livro mais célebre e, mais recentemente, pelo cinema, bem representado por nomes como Abbas Kiarostami e Asghar Farhadi.

OUTRAS LEITURAS

Cara Carlota Cornelius, de Mathilde Stein (Editora WMF Martins Fontes,32 págs., R$ 31,90)
Sobre o capacho da entrada de sua casa, Carlota Cora Cornelius encontra um envelope endereçado a ela. De quem será a carta misteriosa? Cheia de esperança, a personagem dá asas à imaginação para descobrir quem é o autor da mensagem que a fez tomar uma grande decisão.

Passarinho, de Crystal Chan (Intrínseca, 224 págs., R$ 29,90)
Mesmo sem nunca ter conhecido Passarinho, o apelido de seu irmão, Joia, uma garota de 12 anos, vive às voltas com sua história. Ela nasceu no mesmo dia em que ele morreu ao se lançar de um penhasco. Vivendo em um mudo cheio de ressentimentos, a garota ganha uma nova perspectiva quando faz amizade com John.

O livro do contra, de Atak (Companhia das Letrinhas,40 págs., R$ 34)
Atak é um renomado artista alemão que, nesse livro, conta uma história surreal para despertar a imaginação das crianças e encantá-las com ilustrações vibrantes, cheia de cores. Os leitores vão se deparar com histórias de ratos que caçam gatos, de bebês que alimentam suas mães, de zoológicos com seres humanos enjaulados e outros fatos às avessas.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN