Livro em tom memorialístico dá novo sentido à infância por meio de mergulho na linguagem

Vermelho amargo é a última obra publicada em vida pelo escritor mineiro Bartolomeu Campos de Queirós

Compartilhe
, / 179 0

A frase/verso a poucas léguas do início do texto permite entrever o tom da obra e um diálogo literário (consciente?): “Sem o colo da mãe eu me fartava em falta de amor”. A imagem paradoxal remete a Manoel de Barros e seus “Deslimites da palavra”: “Ando muito completo de vazios/Meu órgão de morrer me predomina” (Livro das Ignorãças).

De fato, Vermelho amargo (2011), última obra publicada em vida pelo escritor mineiro Bartolomeu Campos de Queirós, falecido em 2012, evoca de imediato a atmosfera de Manoel de Barros. A prosa de Bartolomeu é toda ela poética, seja em sua noção rítmica ou mais ainda na capacidade de criar imagens que dão vida às coisas e objetos, ou de acrescer novas formas e sentidos às palavras para que estas possam dar conta da imensidão dos sentimentos.
A palavra, os sentidos, a compreensão do mundo e das dores a que fomos sujeitados, a digestão de tudo isso pela memória que “suporta o passado por reinventá-lo incansavelmente” são o combustível desse mergulho nas lembranças, traumas e fantasias da infância. Constituem um dos livros autobiográficos do autor.

Vermelho amargo, de Bartolomeu Campos de Queirós (Editora Global, 2ª edição, 2016, 74 páginas, R$ 42). Prêmio São Paulo de Literatura de melhor livro do ano (2012) | Crédito: Divulgação

Vermelho amargo, de Bartolomeu Campos de Queirós (Editora Global, 2ª edição, 2016, 74 páginas, R$ 42). Prêmio São Paulo de Literatura de melhor livro do ano (2012) | Crédito: Divulgação

Nesse mundo, o tomate que se manifesta em “cor e cólera” consegue a um só tempo ser símbolo e alegoria de uma vida familiar muito cedo transformada pela morte da mãe. De uma hora para outra, os tomates que eram cortados em cruz e “se transfiguravam em pequenas embarcações ancoradas na baía da travessa”, passam a ser talhados por uma faca assustadora, resultando em fatias ultrafinas divididas qual ração pelas mãos da madrasta.

A moça, sempre atazanada pela presença do fantasma da ex-mulher morta, é um poço de secura, qual um tomate que houvesse perdido toda sua água e se enrugado. Assim, o menino e seus irmãos não têm mais o contraponto da doçura materna à dureza repressora do pai, que interrompe os tempos de alegria entre os irmãos, seja no dia a dia, seja na convicção com que faz dos filhos exilados ao longo dos anos.

Para driblar essa realidade, alguns caminhos se apresentam. Pode ser a atividade constante, como apregoa a vizinha para quem o silêncio é a “casa dos fantasmas”. Pode ser a mentira e a dissimulação para agradar o que se sabe que o outro espera – no caso, os adultos, o pai, a religião. Ou o mergulho na compreensão do mundo, na extensão das palavras que podem exprimir os sentimentos, as dores, ajudar a elaborar o passado que insiste em se fazer presente.
Mas, como diz o narrador, “há dias em que o passado me acorda e não posso desvivê-lo”. Se é assim, o jeito é aumentar a extensão do mundo e de si próprio, à la Wittgenstein, conhecendo mais palavras “para nomear o incômodo perpétuo instalado pela dor”.

Ao que parece, o trem andando em que Bartolomeu de Queirós subiu ao nascer o fez equilibrar-se em meio a um mar de palavras que revelaram e criaram a pessoa que ele foi. Alguém que de forma concisa e com imagens poderosas faz reviver no outro a vida que pulsava nele próprio.

Outras leituras

© Divulgação

© Divulgação

Claro, Cleusa. Claro, Clóvis, de Raquel Matsushita (Editora do Brasil, 40 páginas, R$ 46,10)

O que as formas geométricas podem dizer sobre as relações humanas? Partindo dessa aproximação entre as figuras – quadrado, triângulo, círculo – e como elas podem representar relações entre duas, três ou mais pessoas, Matsushita transforma o tema em algo visual. A começar do título aliterativo.

 

 

© Divulgação

© Divulgação

Vovô já foi para Barcelona, de Fernanda Braz, com ilustrações de André Paula (Editora Callis, 48 páginas, R$ 36,90).

Parte da coleção “Vovô conhece o mundo”, que realça aspectos históricos, artísticos e turísticos de grandes cidades europeias. Acompanhado dos netos, o avô do título parte para Barcelona, terra que abriga obras de Miró e Gaudí, além do estádio Camp Nou, palco do artístico futebol do Barça.

 

© Divulgação

© Divulgação

As belas adormecidas (e algumas acordadas), de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, ilustrações de Mariana Massarani (Companhia das Letrinhas, 48 páginas, R$ 39,90)

O sempre bem-humorado Torero é um dos autores desse exercício de imaginação sobre possíveis diferentes desdobramentos da clássica fábula da Bela Adormecida. E se a bruxa tivesse machucado o pé? Ou se um cantor de música sertaneja estivesse no lugar do príncipe? Será que a princesa acordaria?

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN