Lições do modelo alemão

Viagem promovida pelo Semesp mostrou experiências de instituições que trabalham em sintonia com o mercado

Compartilhe
, / 1111 0

por Pedro Strelkow, de Berlim (texto e fotos)

Gestores brasileiros durante as atividades realizadas em Munique e Berlim

A Alemanha parece estar muito à frente quando a questão é preparar os jovens para o mercado de trabalho e inseri-los na profissão depois de formados. Enquanto em alguns países a realização de estágios e atividades práticas depende da iniciativa do aluno ou das universidades, nas instituições de ensino alemãs essas vivências estão largamente difundidas e compõem as diretrizes curriculares da grande maioria dos cursos. O modelo, inspirador para muitos gestores, foi apresentado durante a 7ª Missão Técnica Semesp, realizada nas cidades de Munique e Berlim.

Na primeira etapa, os integrantes visitaram a Escola Profissionalizante de Munique (Städtische Berufsschule für Kfz-Technik), uma das instituições mais tradicionais do país, com 2 mil alunos matriculados; a Universidade Técnica de Munique (Technische Universität de Munique), uma das melhores da Europa segundo rankings internacionais; e uma fábrica da BMW.

Já em Berlim, os participantes estiverem na Universidade Steinbeis, conhecida como faculdade-empresa por permitir que seus estudantes desenvolvam projetos para companhias dos mais diferentes setores; a renomada Humboldt, fundada há mais de 200 anos e por onde passaram nomes como Albert Einstein e Karl Marx; e a Universidade Livre (Freie Universität), líder na área de pesquisa, com mais de 150 programas de formação. Com essa programação, os gestores tiveram um bom panorama do sistema educacional alemão e se certificaram sobre como a parceria universidade-empresa pode contribuir com a formação de profissionais qualificados.

Aluno-empregado

Nos cursos superiores da Alemanha, há uma série de programas para garantir que os egressos cheguem ao mercado preparados. Um deles é o sistema dual de educação, modelo que combina, em igual medida, componentes teóricos e práticos ao longo da formação. Atualmente, há mais de 350 carreiras certificadas pelo Estado para oferecer ensino nesses moldes. A palestra apresentada pelo professor Stefan Marz, da Universidade Técnica de Munique, e a visita realizada à fábrica da BMW foram fundamentais para compreender como isso funciona na prática. Desde 2007, a instituição mantém uma parceria com a fabricante, que aloca os alunos em suas dependências para a realização de atividades profissionais.

A parte teórica de cursos, como o de engenharia, é ministrada na universidade com o respaldo dos professores, que analisam os problemas sugeridos pela empresa e os métodos que serão utilizados para solucioná-los. As situações são colocadas em prática na fábrica, onde os alunos chegam a passar até quatro dias por semana. Mas longe de servir como mão de obra barata para a empresa, os alunos são supervisionados por funcionários e também pelos professores.

Outro modelo de sucesso no meio acadêmico alemão foi o apresentado pelo professor Johann Löhn, presidente e fundador da Steinbeis. A instituição é uma das poucas particulares do país – apenas 3% do ensino superior é oferecido por instituições privadas –, mas quem paga pelos cursos não são os estudantes, e sim seus empregadores. O investimento só ocorre, segundo Löhn, porque as empresas acreditam na competência e na capacidade da universidade de transformar o funcionário e fazer com que ele desenvolva habilidades que serão úteis para o exercício profissional.

De acordo com João Otávio Bastos Junqueira, reitor do Centro Universitário Octávio Bastos (Unifeob), o modelo de parcerias criado na Alemanha é ideal para ser implantado no ensino superior privado brasileiro, em que diversos estudantes estão inseridos no mercado de trabalho e são responsáveis pelo custeio das mensalidades. No entanto, muitos exercem atividade profissional fora da área de formação, o que poderia ser revertido com o estabelecimento de um sistema em que universidades e empresas pudessem se unir para formar mão de obra especializada e bem treinada.

Outro aspecto que chamou a atenção dos participantes foi o fato de que, na Alemanha, as empresas que trabalham com instituições de ensino não estão interessadas apenas em solucionar desafios pontuais. Elas enxergam além e pensam nos benefícios que poderão ser gerados para o desenvolvimento da economia e dos setores produtivos. Pelo que relatou a professora Ida Stamm, do Institut für Innovation und Technik, de Berlim, e pelo que foi visto na Escola Profissionalizante de Munique, as companhias também prestam assistência e aconselhamento às IES e, dependendo da experiência com os alunos, podem até sugerir mudanças no currículo.

Há também uma clara consciência de que o treinamento dado aos estudantes poderá, eventualmente, ser “usufruído” por uma concorrente. As empresas, aliás, contam com essa formação complementar quando contratam um funcionário.

Internacionalização

O número de estrangeiros matriculados na Alemanha está aumentando. Segundo dados da agência de pesquisas Destatis, no ano letivo de 2014 houve um aumento de 4,5% no número de matriculados provenientes de outros países. No total, as instituições receberam 107 mil estrangeiros e parte desse aumento pode ser creditado à boa reputação do sistema alemão mundo afora. Para dar vazão e estimular a internacionalização das instituições, o governo conta com o apoio do DAAD (Deutscher Akademischer Austauschdienst ou serviço alemão de intercâmbio acadêmico) para coordenar os programas de intercâmbio. Dado o sucesso das ações empreendidas, as instituições se depararam com o problema da barreira linguística. Ficou claro que seria necessário incluir cursos de mestrado e doutorado em outras línguas, como o inglês, para atrair mais alunos, medida que foi seguida por diversas de instituições.

A internacionalização também vem sendo estimulada pelas próprias universidades. A professora Vanessa Grunhagen, da Universidade Técnica de Munique, conta que oferece aos estrangeiros cursos de adaptação à cultura e, principalmente, à língua. Na esfera da captação de alunos, a universidade mantém escritórios em vários países, como o Brasil. Por fim, há instituições independentes atuando nesse cenário, como é o caso do Centro Universitário da Baviera para a América Latina. A brasileira Irma de Melo Reiners, diretora-executiva do centro, informa que oferece todo tipo de suporte àqueles que querem estudar em Munique ou em outras universidades do estado da Bavária, seja qual for a instituição de ensino escolhida.

A transição para o ensino superior
Reconhecido como um dos sistemas educacionais mais eficazes no mundo, o modelo alemão é complexo, meritocrático e calcado em altos padrões de qualidade. Por volta dos dez anos de idade, quando concluem o primeiro ciclo escolar (com duração de quatro anos), os estudantes têm suas notas e comportamentos avaliados para então serem direcionados a um dos seguintes tipos de instituições. Dependendo do certificado obtido, os alunos podem dar continuidade aos estudos – em universidades ou institutos especializados, por exemplo – ou acessar diretamente o mercado de trabalho.

Hauptschule: busca desenvolver nos jovens competências e habilidades necessárias para a prática profissional. Leva de cinco a seis anos para ser concluído e confere ao aluno um certificado para cursar uma escola vocacional. Com o diploma, o jovem também pode começar a trabalhar como aprendiz.

Realschule: oferece uma formação mais aprofundada em comparação com o Hauptschule e permite aos estudantes frequentar cursos mais adiantados em escolas profissionalizantes, escolas de ensino médio vocacionais ou o segundo ciclo do ensino médio, feito no Gymnasium. Duração de seis anos.

Gymnasium: procurado por aqueles que querem cursar uma universidade ou institutos especializados de nível superior. Dura de oito a nove anos, dependendo do estado, e cobre uma ampla gama de assuntos.

Gesamthochschulen: oferecida por alguns estados, a modalidade unifica as três variações citadas acima e também confere ao aluno o Abitur, certificado obrigatório para aqueles que vão cursar o ensino superior.

 

A experiência dos integrantes da missão
De acordo com o relato de alguns participantes, as instituições alemãs se revelaram uma referência em termos de alinhamento com o mercado, o que lhes permite tanto trabalhar com um currículo adaptado às demandas das empresas e indústrias, como inserir mais facilmente seus alunos no mercado de trabalho.

Muito interessante a relação entre teoria e prática. Observei, entre outras coisas, que os projetos de mestrado e doutorado nascem de situações reais de trabalho, o que mostra que há um forte alinhamento entre pesquisa, desenvolvimento e inovação. Fazer isso é um grande desafio para os gestores. Nessa direção, a primeira atitude por parte das IES deve ser uma autoanálise para ver se, de fato, há uma previsão de trabalho que contemple isso. Em um segundo momento, deve-se estabelecer uma política institucional que permita à instituição concorrer em agências de fomento ou buscar subsídios nas empresas.
Sueli Cristina Marquesi, reitora da Universidade Cruzeiro do Sul e do Centro Universitário Módulo

No Brasil, existe muito preconceito contra aqueles que não têm um título acadêmico. Aqui na Alemanha esse tipo de pensamento não existe e isso me chamou a atenção. Nas instituições que aplicam o sistema dual de aprendizado, a formação é acompanhada desde cedo e o aluno que termina o ensino médio pode ser direcionado ou para um curso técnico, um técnico profissionalizante ou um bacharelado. Para nós, direcionar um jovem para o ensino técnico equivale a “sacrificá-lo”. Mas na Alemanha, não. Quem vai para esse tipo de ensino apenas possui um perfil diferente. A valorização e a remuneração entre os dois níveis também não são tão discrepantes.
João Otávio Bastos Junqueira, reitor da Centro Universitário Octávio Bastos (Unifeob)

Já visitei instituições de ensino em mais de quarenta países, mas ainda assim me surpreendi com o que vi na Alemanha. Todos chegam à universidade já com uma profissão, a partir dos modelos aplicados durante o período do ensino médio, etapa em que os alunos passam por vivências em empresas e podem associar a teoria aprendida em sala de aula à prática. No Brasil, lamentavelmente, as universidades são muito teóricas. Além disso, nós não temos bons cursos técnicos de nível médio, o que faz com que os alunos concluam o ensino médio com uma formação teórica fraca e sem as competências desenvolvidas pela prática profissional. Nós já devíamos ter mudado essa cultura, porque enquanto isso não ocorrer, continuaremos sendo pouco competitivos. Precisamos de um projeto educacional forte para formar pessoas capazes de conduzir essa transformação.
Wilson de Matos Silva, reitor do Centro Universitário Cesumar (UniCesumar)

Absorvi bastante como devemos olhar para dentro da instituição e promover uma formação técnica mais eficiente. Seria difícil aplicar o método dual nos cursos de graduação oferecidos no Brasil. Teríamos mais sucesso na pós-graduação. Acho que problematizar questões da indústria numa pós-graduação lato sensu, dentro de um mestrado ou até mesmo de um doutorado, faria muito sucesso.
Arapuan Neto, reitor do Centro Universitário Augusto Motta (Unisuam)

Participantes da missão: em uma semana, foram visitadas quatro instituições de ensino e uma fábrica da BMW

 

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN