Homeschooling

Uma coisa apenas importa:
que as crianças e adolescentes aprendam

Compartilhe
, / 1055 0

Tradução literal: "home"= lar, casa + "schooling"= escolarização.  Na nossa língua: educação domiciliar, "aprender fora das escolas institucionalizadas", "aprender em casa".

Em muitos lugares, especialmente nos países adiantados culturalmente, o homeschooling é previsto em lei oferecida aos pais que desejam dar aos filhos um ambiente de aprendizagem diferente do existente nas escolas. Os motivos que levam os pais a optar pelo homeschooling são variados.

Há a insatisfação com as escolas, o temor em relação ao seu ambiente, interno e externo. Os pais temem pela integridade física dos filhos. O que é compreensível em ambientes onde existe violência.  Há também as situações em que as crianças e adolescentes são vítimas de bullying. Ir à escola é um sofrimento diário e silencioso. A provisão legal da possibilidade de estudar em casa eliminaria esse sofrimento que atinge milhares de crianças e adolescentes.

Uma coisa apenas importa: que as crianças e adolescentes aprendam, que se tornem competentes nos saberes que a vida e a profissão vão exigir delas.

Antes da criação das escolas, como existem, toda a aprendizagem acontecia em casa. Os filhos, nas zonas rurais, aprendiam com os pais a arte de cultivar a terra, fazer o vinho, cuidar dos animais. Nas vilas e cidades, aprendiam com os pais os ofícios necessários na vida urbana. E a avaliação não se fazia por meio de provas. O aprendiz era avaliado pela qualidade daquilo que produzia. Entre os povos chamados "primitivos" – que vivem ainda segundo suas tradições milenares, suas vidas não tendo sido alteradas pela expansão da civilização – é assim que o conhecimento é construído. Os jovens aprendem dos mais velhos aquilo que precisam saber para viver e participar da vida na comunidade.

Com a Revolução Industrial e o crescimento das populações, essa forma de produzir e transmitir conhecimento ficou inviável.  O lugar dos pais deixou de ser a casa e a oficina, e pais e mães, para sobreviver, tiveram de se ligar às fábricas, não lhes sobrando tempo para ensinar os filhos. Mas também os saberes que as fábricas e a vida urbana exigiam não podiam ser aprendidos em casa. Daí a necessidade das escolas. A existência das escolas  foi uma resposta a uma exigência social.

Mas há anos existe um mal-estar em relação ao desempenho das escolas, o que levou vários educadores a levantar a


Rubem Alves Educador e escritor rubem_alves@uol.com.br

questão: a aprendizagem só acontece ali? O saber de uma pessoa tem de ser legitimado por um diploma expedido por escola oficial? E aquela pessoa que deseja aprender coisas diferentes daquelas prescritas pelos programas escolares?
Ivan Illitch sonhou com uma sociedade sem escolas. Nela, os saberes ficariam disponíveis em algo parecido com um supermercado. Um supermercado oferece todos os tipos de bens necessários para a vida nas casas. Os fregueses compram os produtos que desejam. De forma semelhante, os supermercados de saberes ofereceriam uma variedade de produtos e as pessoas "comprariam" os saberes que desejassem, de física quântica a música clássica.

O homeschooling é uma versão individual do sonho de Illitch. A diferença: em vez de os saberes serem produzidos por grandes instituições, pais ou algum tutor ocupariam seu lugar. Mas para que a coisa funcione há um pré-requisito essencial: os pais e tutores têm de ter competência educacional. Nem toda casa seria elegível para ser uma home school… 

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN