Grande Encontro da Educação aborda habilidades socioemocionais por um olhar fora dos métodos tradicionais

Fazer o aluno se sentir protagonista de projetos despertará habilidades pedidas no novo currículo, afirma escritora

Compartilhe
, / 1070 0
habilidades socioemocionais

Budismo com neurociência, com psicologia social e método sistêmico fazem parte da metodologia do Planetapontocom (foto: Gustavo Morita)

O Grande Encontro que hoje, 28, chega ao seu último dia, acontece em São Paulo, no Centro de Convenções Rebouças. Entre as mudanças na Base Nacional Comum Curricular está a inserção, no currículo escolar, das habilidades socioemocionais. Sabendo que a maioria das escolas ainda investiga como levar esse novo olhar para dentro das aulas, o evento convidou a jornalista e escritora especialista em educação, Silvana Gontijo, para contar como ela desenvolve essas aptidões nos alunos.

Impactada com a informação de que o coeficiente de atenção está cada vez menor – e com isso, atrair o olhar do aluno se torna uma grande missão – a jornalista compartilhou que ao enxergar a escola como um organismo vivo e com um olhar decentralizado muita coisa mudou.

Silvana faz parte do Planetapontocom, que busca criar dentro de escolas territórios educacionais colaborativos, tendo como desafio fazer a instituição aplicar o conteúdo curricular junto a alunos engajados. “Fomos pensando em interdisciplinaridade e abrindo as caixas das disciplinas”, revela.

O Planetapontocom segue as metodologias do MatrixWorks – campo de conhecimento criado por uma norte-americana após visitar o Tibet – que junta Budismo com neurociência, com psicologia social e método sistêmico. Para Silvana, as escolas precisam atuar de forma mais holística e mais próxima.

A compreensão de que a escola é um ambiente de comunicação e que a educação é comunicação fez com que o Planeta criasse experiências de aproximação de linguagem. “Ai descobrimos que para termos indivíduos resilientes, de forma sistêmica, colaborativa e com toda a qualidade, a gente precisava mudar a abordagem de ensino”, explica a escritora.

Os principais desafios dos gestores escolares, na visão de Silvana, é facilitar a participação de pessoas e desenvolver competências nas escolas que querem inovar, com lideranças motivadoras e com potencial de colaboração. Há outro desafio, “para mudar tudo isso o mais difícil é o acordo de convivência. Esse acordo, cada escola sai de um jeito”.

Para Silvana, competências socioemocionais e como chegar a elas é um processo. “Eu acho o mais importante apresentar um contexto com educação com e através de causa. Dentro desse projeto precisamos contextualizar como cada competência está inserida”.

A jornalista possui um olhar mais amplo e simples sobre essa nova prática que deve ser inserida nos currículos. A ideia é provocar uma experiência transformadora no aluno e despertar nele essas capacidades. Um dos principais segredos é fazer com que o aluno se sinta protagonista do processo o qual está inserido.

Leia também:

A história, os pilares e os objetivos da educação socioemocional

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN