Guia gratuito auxilia educadores a compreender e implantar BNCC

Site é voltado a gestores e equipes direcionadas na reelaboração dos currículos. Princípios da educação integral é detalhado no material

Compartilhe
, / 607 0
guia BNCC

Orientar na construção dos currículos das redes de ensino é um dos objetivos da plataforma (foto: Shutterstock)

Com a Base Nacional Comum Curricular aprovada – falta apenas o ensino médio – as escolas têm até 2020 para incluir as exigências descritas no documento.

Muitos educadores sequer sabem do que se trata, o que gera dificuldade em adaptar as novas diretrizes com o programa escolar.

Uma das alternativas para se informar é o guia digital BNCC: construindo um currículo de educação integral, elaborado pelo Instituto Ayrton Senna.

A ferramenta – de linguagem simples e fácil entendimento – revela as principais funções da Base, explica o que é currículo escolar e como ele pode ser estruturado, quais conceitos definem a educação integral e outros.

O novo documento indica que os estudantes devem ter dez competências gerais trabalhadas ao longo da educação básica.

Para auxiliar o caminho dos educadores, a plataforma conta também com análise que relaciona essas competências às habilidades socioemocionais.

Com textos, infográficos e vídeos, o guia é gratuito. Para ter acesso clique aqui  .

Contexto da BNCC

A primeira versão da Lei de Diretrizes e Bases Educacionais (LDB) foi publicada em 1996. Com aperfeiçoamentos ao longo dos anos, em 2013, ficou definido que o Estado brasileiro é o responsável pelo acesso da pré-escola, fundamental e ensino médio dos cidadãos (antes era assegurado apenas para o ensino fundamental).

Com essa alteração, outra exigência que surgiu dentro da LDB foi a de currículo com base nacional comum para todas as escolas, tanto públicas quanto privadas.

Em 2015, a BNCC – que determina competências e habilidades que devem estar inclusas no currículo escolar –  começou a ser elaborada. No final de 2017, o documento para infantil e fundamental foi aprovado pelo MEC.

Vale lembrar que as redes de ensino possuem autonomia para elaborar e/ou adequar seus currículos de acordo com o que acharem necessário.

Leia também:

BNCC: desafio é a histórica carência na formação de professores

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN