Fundos de investimento miram o ensino superior privado

Interesse se justifica pelo potencial de crescimento do setor

Compartilhe
, / 291 0

Cost of going to school

por Lucia Rebouças

O setor de educação entrou na rota de grandes investidores do mercado de capitais brasileiro e internacional. O interesse pelo segmento se deve a uma série de fatores, entre os quais o potencial de crescimento do ensino superior, tendo em vista sua subpenetração na população brasileira. Segundo estimativas, há entre 12 e 15 milhões de pessoas fora dessa etapa escolar.

O valor do diploma no Brasil é outro elemento que motiva o interesse dos investidores. De acordo com Edson Peli, diretor para a América do Sul e responsável pela cobertura de setores de educação e saúde do Carlyle Group, gestor global de investimentos alternativos, o diploma de curso superior oferece aumento de renda até 150% superior em relação a quem não tem o título. Em outros países essa diferença fica abaixo de 100%. O diretor chama a atenção ainda para outro atrativo: a resiliência do segmento. “Mesmo em momentos de crise as pessoas tendem a continuar estudando. Todos os setores sofreram com a crise. Ensino e saúde sofreram menos, mostrando que têm mais resiliência que o varejo, por exemplo”, analisa.

Ao injetar recursos em alguma instituição de ensino, o que os gestores desejam é vê-la alcançar outro patamar de desenvolvimento e, naturalmente, de ganhos. No meio desse processo, contudo, são gerados diversos benefícios para as IES, além do choque de crescimento. Em geral, há também ganhos de qualidade. Como exemplo, Laura Guaraná, sócia do Bozano Investimentos, cita o desenvolvimento de laboratórios – o que afeta positivamente as atividades de pesquisa – e a contratação de mão de obra mais qualificada.

A entrada de profissionais de outras áreas
também pode ser transformadora, acredita a executiva. Egressos de outros ramos, os novatos na educação podem, por exemplo, questionar práticas antigas e introduzir novas formas de atuar, muitas vezes mais eficientes. Eles também podem trazer tecnologias não comumente usadas na educação, mas que podem ser benéficas. “Educação é hoje o que outros setores já foram no passado. Vários outros estão passando por grandes transformações, decorrentes de mudanças de hábito e de mentalidade das populações, fazendo com que percam demanda e, consequentemente, necessidade de grandes investimentos. Educação, ao contrário, é o futuro do mundo”, observa a gestora.

Para Peli, o maior impacto da injeção de capital é a consolidação do setor e a profissionalização da gestão das instituições, com a entrada de profissionais mais bem preparados para enxergar oportunidades e fazer uso das ferramentas tecnológicas disponíveis. Dentro desse quadro, pode-se esperar que instituições de ensino venham a ocupar o topo de rankings de fusões e aquisições e de IPO (operações de abertura de capital na bolsa de valores) no país nos próximos anos.

De acordo com o Censo da Educação Superior de 2015, no ano mais de 2,9 milhões de alunos ingressaram em cursos de educação superior de graduação e desse montante 81,7% entraram em instituições privadas. Foram oferecidos 33.501 cursos de graduação em 2.364 instituições de ensino.

Bozano busca empreendedores
Com um patrimônio de mais de R$ 3,8 bilhões, o Bozano Investimentos – que tem como filosofia de gestão buscar empreendedores e trabalhar junto para ajudar o negócio a crescer – já montou dois fundos de private equity (fundos de investimento com número fechado de cotistas e com tempo determinado de duração, que investem em empresas e empreendimentos).

Para a montagem do segundo fundo, denominado Bozano Educacional 2, o fundo contou com a participação de um investidor estrangeiro e optou por focar a área da saúde. “Quando avaliamos o setor vimos que nesse segmento há uma grande carência no país, principalmente de qualidade de formação e treinamento de profissionais, o que demanda muito investimento”, explica Laura.
Com aporte de R$ 800 milhões (aproximadamente 230 milhões de euros), esse private equity tem como cotista âncora a Bertelsmann, companhia de mídia, serviços e educação com operações em aproximadamente 50 países. Com participação de aproximadamente 40%, a Bertelsmann, comprometeu-se em aportar uma soma superior a 90 milhões de euros.

Além da Bertelsmann, também são cotistas do fundo investidores institucionais, famillies offices (gestores de patrimônios familiares) de vários estados do país e o BNDES. “O fundo vai fazer investimentos procurando os melhores empreendedores e as melhores instituições de ensino”, detalha a gestora.

Até o momento, foram feitos dois investimentos: na Medcel e no Grupo NRE Educacional. A Medcel faz cursos preparatórios para residência médica e usa tecnologia no ensino. A NRE é dona de cinco instituições de ensino superior ligadas à área de saúde e ministra cursos de medicina, nos quais tem cerca de 1,8 mil alunos. Nas duas empresas, o fundo já investiu 30% do patrimônio.
Segundo Laura, o fundo deve durar de oito a 10 anos. A expectativa de retorno para os cotistas do fundo é semelhante à do primeiro private equity para o setor de educação montado pelo Bozano, que deu a seus cotistas um retorno de 33% ao ano, ou seja, quase três vezes o capital investido.

O primeiro private equity captou R$ 360 milhões e investiu em quatro áreas de educação, incluindo o ensino superior. Investiu na Anima Educação, ajudando a instituição a fazer aquisições e a abrir seu capital numa bem-sucedida operação em 2013; na HSM Ensino de Executivos com o objetivo de ampliar a distribuição de conteúdo a um público mais amplo; e no ensino básico, como na Abril Educação, do grupo Abril, hoje denominada Somos Educação.

Patrimônio de US$ 1 bilhão
O grupo Carlyle, que administra um patrimônio de mais de US$ 1 bilhão para investimentos de private equity na América do Sul, está focado no ensino a distância. Segundo Peli, o potencial de crescimento desse segmento é superior ao dos demais no setor. Para embasar sua afirmação, ele cita vantagens para o aluno como a flexibilidade de horário, os custos mais acessíveis e o fato de o diploma ter a mesma validade do obtido no ensino presencial. Devido à opção pelo EAD, o grupo atua em áreas como engenharia, administração e pedagogia. No setor de direito, o Ministério da Educação não permite ensino a distância. Saúde também não é alvo por se tratar de uma área que necessita de muito ensino prático.

Juntamente com a Vinci Capital Partners, gestora de recursos independente, o Carlyle assumiu o controle da Uniasselvi, companhia especializada em ensino a distância, que antes pertencia ao grupo Kroton Educacional. Fundada em 1997, a Uniasselvi possui mais de 112 mil alunos matriculados em seus cursos de graduação e pós-graduação.

No EAD, possui 48 polos espalhados por diversos estados do Brasil e no ensino presencial conta com sete campi localizados em Santa Catarina, sendo a maior instituição de ensino superior naquele estado.

A Uniasselvi também atua na modalidade semipresencial, em que o aluno, além de desempenhar atividades no ambiente virtual de aprendizado, participa também de atividades presenciais uma vez por semana em salas de aula dos polos de EAD com o apoio de um professor-tutor.

Bertelsmann no Brasil
Como parte de sua estratégia de crescimento, a Bertelsmann expandiu significativamente as suas atividades no setor de educação, nos últimos meses. De acordo com informações da empresa, a Bertelsmann defende a criatividade e o empreendedorismo, combinação que possibilita a criação de conteúdo de mídia de primeira linha e soluções de serviço inovadoras que inspiram consumidores ao redor do mundo.

A Bertelsmann tem mais de 112 mil colaboradores e, desde 2012, conta com um centro corporativo em São Paulo. Desde então, tem investido ativamente em fundos e empresas brasileiras dos setores de educação e internet. Também está presente no Brasil por meio de outras empresas de seu portfólio. A Fremantle Media (RTL Group), por exemplo, produz as edições brasileiras de Idols (Ídolos) e Password (Mega Senha). Já a Penguin Random House tem participação na editora Companhia das Letras, enquanto a editora Gruner + Jahr publica no país revistas de automóveis, motos, entre outros, por meio de sua subsidiária Motorpress Brasil.

A Arvato, outra empresa do grupo, oferece em território brasileiro um amplo portfólio de serviços de BPO (terceirização de processos empresariais) e também investiu em junho de 2015 na Intervalor, fornecedora de serviços financeiros.

A Bertelsmann já colocou recursos na Affero Lab, líder no mercado brasileiro para treinamento corporativo e e-learning. O grupo também investiu na Alliant International University, nos Estados Unidos, dando os primeiros passos para a criação de uma rede internacional de universidades. Além disso, aumentou significativamente sua participação acionária na Synergis Education, um prestador de serviços para universidades nos Estados Unidos. Em 2014, adquiriu o provedor on-line de educação Relias Learning.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN