Educadores defendem lição de casa nos anos iniciais, desde que tenha sentido no processo de aprendizagem

Em xeque fora do país, tarefa é vista com bons olhos por aqui – mas precisa de discussão e reflexão

Compartilhe
, / 2416 0
lição de casa

Foto: Shutterstock

Durante sua trajetória de mais de três décadas na educação, Silviane Bueno sempre sentiu falta de uma pauta nas muitas reuniões pedagógicas das quais participou: a lição de casa. “O dever está presente nas escolas públicas e privadas, mas pouco se debate sobre seus objetivos”, avalia a educadora, hoje diretora do Colégio da Lagoa, escola privada de Florianópolis (SC).

Os encontros entre professores e coordenação pedagógica, segundo ela, acabam por focar mais em aspectos como indisciplina e avaliação. Para Silviane, apesar da tarefa exercer papel muito importante na aprendizagem, ela pode se tornar um problema quando adotada simplesmente por fazer parte de uma tradição na educação, sem ser questionada ou discutida.

“No Brasil, o debate sobre o dever é escasso até em termos de pesquisas”, analisa a diretora, que tornou a lição de casa objeto de sua dissertação de mestrado, defendida na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2013.

Fora do país, o contexto é outro. A tarefa extraclasse se tornou objeto de debate nos últimos anos, sendo questionada por alguns educadores e pesquisadores. Em Nova York, nos Estados Unidos, escolas chegaram a aboli-la nos anos iniciais do ensino fundamental.

No distrito de Marion County, localizado na Flórida, também no país norte-americano, a lição de casa para a chamada elementary school (equivalente ao fundamental 1 no Brasil) será abolida a partir do próximo ano escolar, após decisão da superintendente Heidi Maier. Em vez da tarefa, as escolas do local deverão passar a encorajar crianças a ler por um período de 20 minutos todas as noites, acompanhadas pelos pais.

Quem defende o fim da lição de casa no início da vida escolar argumenta que a criança deve ter mais tempo para brincar, ler e fazer outras atividades que contribuam para o seu desenvolvimento e aprendizado – e que, nesse período, a tarefa não aumenta significativamente o rendimento acadêmico, além de existirem outras dimensões em questão além dele. No Brasil, contudo, as discussões são menos radicais, e tendem a colocar em dúvida não a existência da lição de casa, mas sua carga e intencionalidade.

De acordo com um relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que avaliou dados do Pisa 2012, o estudante brasileiro de 15 anos passa uma média de 3,3 horas semanais fazendo lição de casa. No topo da lista aparecem Shanghai-China (1º) e Rússia (2º), onde estudantes gastam 13,8h e 9,7h por semana, respectivamente, fazendo as atividades. A média geral dos 39 países que fizeram parte da pesquisa foi de 4,9 horas semanais.

Nem sempre quantidade significa qualidade, e há exemplos de países que se destacam nos rankings internacionais e que investem muito na lição de casa e de outros que também alcançam bons resultados com modelos diferentes, dando mais tempo para crianças e jovens praticarem outras atividades.

Singapura, hoje na ponta do Pisa (Programa de Avaliação Internacional de Alunos da OCDE), apareceu em terceiro lugar na lista da OCDE: lá, os jovens investem cerca de 9,4 horas por semana fazendo lição de casa. Já na Finlândia, grande referência em educação, o tempo gasto com tarefas extraclasse é de apenas 2,8 horas semanais. Na Coréia do Sul, que também possui sistema educacional considerado modelo, o valor é próximo: 2,9 horas por semana. Entre os pesquisados, os dois países são os locais em que os jovens menos gastam tempo com a lição de casa.

Para Ana Cláudia de Andrade, diretora do 2º ao 5º ano do ensino fundamental no Colégio Liceu Jardim, de Santo André (SP), no contexto brasileiro, tanto cargas elevadas de lição de casa quanto sua extinção estão longe de ser soluções. A criança deve ter tempo para exercitar o que aprendeu em aula e desenvolver sua autonomia, mas também para brincar e fazer outras atividades.  “Crianças de 2º e 3º ano não devem gastar mais do que 1h por dia fazendo o dever. Para as de 4º e 5º ano, até 1h30”, recomenda a coordenadora, com base em sua experiência.

No Colégio Liceu Jardim, as crianças fazem lição de casa todos os dias – inclusive com algumas atividades nas férias. “Quando voltamos às aulas, a primeira coisa é corrigir a tarefa”, conta Ana Cláudia, que destaca a possibilidade de revisar conteúdos e tirar dúvidas nesses momentos.

Já Letícia Dias, coordenadora pedagógica da Emef Padre José Pegoraro, de São Paulo (SP), defende mais flexibilidade. “Não acredito que deva haver uma obrigatoriedade de passar lição de casa todos os dias. Ela deve ser utilizada como atividade complementar quando o professor achar necessário”, diz. “Hoje, a escola para os anos iniciais tem responsabilidade de iniciar alfabetização aos 5, 6 anos. Mas precisamos ter preocupação também com o brincar, que tem sido deixado de lado.”

Estratégias

Apesar de a lição de casa ter uma função pedagógica, a verdade é que muitos alunos não costumam encará-la de forma positiva. A diversificação das atividades sugeridas pode ser um caminho para mudar essa perspectiva, instigando a criança e tornando a tarefa mais eficaz na contribuição à aprendizagem. “Um dia o professor pode passar exercício, no outro uma leitura, uma pesquisa”, sugere a diretora Silviane Bueno.

No Colégio Liceu Jardim, a aposta é na elaboração de materiais direcionados: os professores confeccionam cadernos especiais com atividades de lição de casa para todas as turmas de todos os anos. “Fazemos discussões todos os bimestres. Nesse planejamento, nessa elaboração, o professor tem de ficar de olho se aquilo que ele está dando está de acordo com o que faz em classe. Isso cria uma cultura pedagógica”, explica a diretora Ana Cláudia de Andrade.

Se nem sempre é possível elaborar um material específico, por razões que vão do tempo disponível a questões socioeconômicas, discutir a intenção de cada tarefa já é um passo para torná-las menos mecânicas e mais significativas. “Muitas vezes, a lição de casa funciona como um instrumento de controle. As escolas precisam problematizar isso, perguntar por que e para quê aquela lição está sendo passada”, defende Silviane Bueno. Entre as funções que a lição pode exercer estão ser um complemento do que foi visto em aula, revisão de conteúdos, exercício da criatividade e o aprendizado inicial de como pesquisar sobre um determinado tema.

Escolas públicas

Nas escolas públicas, a lição de casa também faz parte da rotina dos alunos. Na capital paulista, a tarefa extraclasse se tornou obrigatória em toda a rede municipal em 2013, após a instituição do programa ‘Mais Educação’.

“Damos lição quase todos os dias. A exceção é a sexta-feira, que alguns professores preferem deixar livre por entenderem que o fim de semana deve ser para descanso”, conta Ana Cláudia Pinheiro, coordenadora pedagógica do ensino fundamental 1 na Emef Professora Helena Lombardi Braga, de São Paulo.

Para Letícia Dias, da Emef Padre José Pegoraro, no caso da rede pública, os educadores devem considerar a realidade socioeconômica dos alunos na hora de propor a tarefa de casa. “Temos desde famílias que não possuem escolarização necessária para fazer leitura com os filhos a famílias que possuem rotina que não possibilita acompanhamento da vida escolar”, pontua. Para a educadora, pesquisas feitas na internet – recurso ao qual talvez nem todos os alunos tenham acesso – podem dar lugar, por exemplo, a entrevistas com familiares.

Benefícios

Quem defende a lição de casa no início da vida escolar argumenta que ela traz benefícios como a fixação de conteúdos, desenvolvimento da autonomia e o cultivo do hábito de estudar. Mas, para a diretora Silviane Bueno, é importante dissociar o conceito de estudo do de fazer tarefa, que não são sinônimos. “Em muitos casos, existe a pressa de se ver livre do dever. Por isso, trabalho muito aqui na escola que essa não deve ser a única ferramenta”, explica. Para compor a rotina de estudos, leituras e pesquisas são exemplos do que pode ser incentivado.

Além dos benefícios de aprendizagem, a lição de casa também é apontada como uma boa forma de estabelecer uma conexão maior com as famílias. Ainda que a autonomia seja muito importante e a tarefa deva se restringir ao que a criança consegue fazer sozinha, o acompanhamento dos responsáveis pelo aluno pode levar a uma aproximação natural com a escola. “Por ser uma escola pública, às vezes percebemos que nem sempre a comunidade participa tanto desse momento. Mas acabamos, sem dúvida, por estreitar laços”, avalia a coordenadora pedagógica Letícia Dias.

Nos casos de pouca participação, também é possível entender melhor em que contexto familiar a criança está inserida. “Quando a gente identifica que criança não está fazendo a lição, procuramos contato com a família. Assim, não colocamos na criança uma responsabilidade que, às vezes, ela não tem”, analisa a coordenadora Ana Cláudia Pinheiro.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN