Desafio é conseguir que os professores experimentem novos modos de trabalhar

Práticas envolvendo o lúdico, a interdisciplinaridade e a contextualização têm o potencial de melhorar a aprendizagem

Compartilhe
, / 1229 0

© Gustavo Morita
Colégio Ítaca: trabalho em conjunto com professores de outras disciplinas

“Professora, hoje não vai ter aula? É só brincadeira?” Perguntas como estas passaram a ser feitas por  alunos e pais desde o ano passado para professoras alfabetizadoras de Costa Rica (MS). Isso acontece graças às formações do Pnaic.

No pequeno município, que tem seis escolas na rede e 1.400 alunos de 1º a 3º ano, a adesão dos docentes ao Pacto foi de 100%, mas a mudança de postura frente à sala de aula ainda está em processo, conta Mara Silvia Barbosa, coordenadora do Pnaic na cidade. “Aceitar participar da formação foi tranquilo, mas a mudança de atitude por parte do professor levou cerca de um ano para começar”, afirmou. “No começo, essas perguntas incomodavam as professoras.”

Segundo Mara, as formações levaram os docentes a sair da zona de conforto, passar do papel de “dono da verdade” para mediador do aprendizado. “Leva um tempo para o convencimento de que aquela “bagunça” pode ser boa, de que com a brincadeira não se está perdendo tempo, mas ganhando”, disse. Para ela, contudo, mesmo que esse processo seja uma mudança ainda em curso, as crianças que estão hoje no primeiro ciclo do fundamental encontram uma alfabetização mais “humana” e adequada à idade do que os alunos que estavam na mesma série antes do Pacto.

Para Carolina dos Santos Vera e Silva, professora desde 2002 no município de Frei Miguelinho (PE), as formações foram boas para ela aprender a sistematizar o conhecimento do aluno e ter um olhar individual para cada um. “Sinto que eu ensinava, mas ficava sem amarrar. E, como a turma não é homogênea, tem níveis de conhecimento diferentes, preciso passar atividades diferentes. Não se pode dar uma aula única para todos, cada aluno tem sua necessidade”, afirmou.

As práticas de Carolina também passaram a ser mais interdisciplinares e contextualizadas. Ela montou, por exemplo, uma sequência didática de culinária, em que foram abordados conteúdos de ciências (alimentação saudável), matemática (gráficos e tabelas) e língua portuguesa (gênero textual: receita). A experiência foi tão produtiva que acabou integrando um livro de relatos da Universidade Federal de Pernambuco.

Práticas envolvendo o lúdico, a interdisciplinaridade e a contextualização não são exclusividade, porém, dos professores que participam do Pnaic. Professora há 20 anos, Clara Elena Jorquera trabalha atualmente na rede particular, no Colégio Ítaca, em São Paulo, e aproveita as vantagens de contar com uma escola bem equipada e com uma equipe que atua de forma integrada. “Gosto de chamar o professor de artes, de educação física, de música, para fazer um trabalho em conjunto. A gente parte da história de um livro e faz atividades em todas as áreas. Assim as crianças ficam muito envolvidas, dá resultado melhor do que algo fragmentado”, relata.

Leia mais: 
– Olhar para outros fatores ajudará na alfabetização

– Pouco acesso aos resultados da Avaliação Nacional da Alfabetização é empecilho e objeto de crítica por parte de especialistas

– Com a adesão de quase a totalidade dos municípios brasileiros, Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa ainda é incógnita quanto aos resultados de aprendizagem; formação docente atualiza conceitos e aproxima letramento e alfabetização

 

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN