Decisão difícil

A história de uma deficiente auditiva que passou por escolas regulares e pelo atendimento especializado

Compartilhe
, / 923 0

A programadora Jaqueline Câmara Poletto levou aproximadamente cinco anos até encontrar um caminho para que a filha dela, deficiente auditiva, conseguisse se desenvolver em uma escola. Gabriela Poletto Gomes, hoje com 12 anos, foi matriculada no Instituto Educacional Batista, em Belo Horizonte (MG), quando tinha apenas 3 anos de idade. A intenção da família era de que ela se tornasse surda oralizada, ou seja, conseguisse se comunicar utilizando a língua portuguesa. “A expectativa era de que, em uma escola regular, de ouvintes, ela não ficasse restrita à comunicação em libras (língua brasileira de sinais)”, relata Jaqueline. No contraturno, Gabriela recebia o atendimento de uma fonoaudióloga.


A primeira experiência durou dois anos e a menina não conseguiu se adaptar. “Não havia qualquer atendimento especializado, ela não conseguia acompanhar, e acabava não aprendendo nada”, conta a mãe. Diante disso, Jaqueline procurou oferta de educação especial na Apae de Ouro Preto, que Gabriela, então com 5 anos, frequentou por somente três meses. “Ela não conseguia se comunicar com as crianças que tinham outras deficiências”, aponta.


Em seguida, quando a família se mudou para São José do Rio Preto (SP), a mãe voltou a apostar no ensino regular, na Escola Municipal Simão Lacerda, onde Gabriela ficou por um ano, antes de voltar para Minas Gerais. Em Belo Horizonte, no período entre 2005 e 2008, a menina frequentou classes regulares com intérpretes, o que também não funcionou, para a surpresa de Jaqueline: “Custei a entender que ela tinha resistência à língua falada e que  se irritava com a interpretação, porque a aula não era preparada para ela”, explica Jaqueline.


Desde 2009 na Escola Municipal José Maria dos Mares Guia, Gabriela estuda em classe formada apenas por surdos e cursa o turno da tarde. A professora, ouvinte, é fluente na língua brasileira de sinais. A assistente, surda, comunica-se apenas em libras. A turma é formada por crianças na faixa etária que vai de 10 a 13 anos. “Até mais ou menos os 7 anos ela não aprendia nada. Agora consegue se comunicar e perdeu aquela agressividade. Por mais que a minha intenção fosse boa, a escola de ouvintes era uma tortura para ela”, avalia Jaqueline.


Em casa, a comunicação é sempre em libras. Tanto Jaqueline quanto o outro filho, de 9 anos, que é ouvinte, estudam a linguagem. “O problema é que ela fica realmente restrita. O pai, por exemplo, não entende libras, precisa sempre da minha ajuda para interpretar e conversar com a filha”, revela. Na escola, Gabriela aprende o português, mas sabe poucas palavras, segundo a mãe. “Em disciplinas como geografia, história e matemática, o desempenho dela não é excelente, mas é aceitável”, aponta.



+ Leia aqui reportagem sobre o impasse na política educacional brasileira para alunos com necessidades especiais

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN