Da Idade Média à Idade Mídia

Os alunos que nasceram nos últimos anos do século 20 estão prestes a viver profissionalmente em um contexto que já foi fruto da imaginação

Compartilhe
, / 1251 0







Séries como “Os Jetsons” ajudaram a construir o imaginário sobre o futuro

Quem chegou aos 50 anos idade, como eu, mantém um pé na Idade Média e outro na Idade Mídia. Da Idade Média (não me refiro ao período medieval propriamente dito mas ao passado como um todo), ainda guardo o gosto pela leitura linear, palavra por palavra. Na Idade Mídia, sou um escaneador de carne e osso, plugado, conectado, interligado.


Não podemos ensinar ou trabalhar de costas para a sociedade digital, que atrai e congrega um número cada vez maior de habitantes. Mas também seria empobrecedor descartar o que aprendemos, deletar da memória os espíritos antigos, cujas vozes foram registradas em papel com lágrimas, com sangue… ou com caneta-tinteiro.


Por mais fascinantes que sejam os avanços “midievais”, tenhamos em mente que tais conquistas ainda não chegaram à vida de milhões de pessoas no planeta. Ainda há gente no mundo que mais necessita de acesso à água potável do que a um site.


Entre o passado e o futuro
Um curioso livro futurístico, Um dia na vida do século 21, de Arthur C. Clarke (publicado em 1986), descreve num dos capítulos o dia de um trabalhador do futuro, num escritório do futuro. O dia será 20 de julho de 2019. (Agora faltam apenas sete anos para essa data antes longínqua!)


É um escritório semelhante a qualquer outro do final do século 20, com a diferença de que os trabalhos rotineiros são realizados por computadores e robôs. A informática e a bioeletrônica libertaram os seres humanos das tarefas burocráticas sem graça. As máquinas, com mais rapidez e eficiência, marcam entrevistas, organizam os horários, cuidam dos arquivos, permitindo que os seres humanos se dediquem ao que de melhor podem fazer – lidar com o imprevisível, tomar decisões em situações complexas e fazer avaliações com base em poucas informações.


Todo o trabalho de segurança, recepção e secretariado é feito pelos computadores, devidamente programados pela mente humana, que foi capaz de fazer da sonhada inteligência artificial uma realidade comum. Os computadores se comunicam com os humanos de modo… quase humano. Leem a nossa mente. Praticamente não se usa mais papel na vida profissional. Recuperamos extensas áreas verdes no planeta. A mobília é virtual. Cada um decora o espaço com as imagens que deseja – custo zero e mais economia de madeira.


Reuniões presenciais são bem-vindas, mas se não for possível que todos estejam fisicamente ali, são rea­lizadas teleconferências, como, aliás, já se faziam na década de 1980. A diferença é que em 2019 a tecnologia tornou-as tão reais que mal se percebe o quanto são virtuais. Empresas com mais recursos adotaram as holoconferências. A imagem de uma pessoa é captada por um equipamento e enviada a outro escritório, onde conversam então, frente a frente, em três dimensões e em cores. As empresas ainda mais ricas dispõem de escritórios “tradicionais”. Pelo desejo mesmo de cultivar a elegância, com ares de passado. Usam menos computadores. Preferem mobília real. E secretárias humanas. Tais escritórios são considerados os mais luxuosos no mundo dos negócios de 2019.


Os alunos que nasceram nos últimos anos do século 20 estariam prestes a viver profissionalmente nesse contexto que já foi (e talvez continue sendo) fruto da imaginação apenas!


Medieval e midieval
Professores midievais que somos, perdemos as ilusões com relação ao modo de ler e escrever de boa parte dos nossos alunos. O fluxo contínuo em busca do imediato que se esvai, a falta de paciência com o hierárquico, a relativização das normas gramaticais, a velocidade do toque em lugar da concentração mental, o entretenimento como valor dominante, a dessacralização dos clássicos, a facilidade em conviver com o descontínuo e o caótico – é neste mundo que eles e nós navegamos.


No entanto, como professores medievais que também somos, não desistimos jamais da indizível alegria de folhear um livro concreto, cujas páginas trazem porventura aquelas anotações feitas à mão (mão humana, não custa esclarecer!), denunciando o diá­logo silencioso entre o autor e um leitor anterior, possivelmente anônimo.


Sou ao mesmo tempo midieval e medieval. Mantenho blogs e escrevo em cadernos o que penso ou deixo de pensar. Consulto dicionários eletrônicos e os velhos tomos com cheiro de sebo antigo. Troco mensagens no Facebook, reuni com muitos cliques mais de 5 mil amigos virtuais, e preciso dialogar (de viva voz) com algum velho companheiro, de preferência alheio às redes sociais.


Professor midieval, trabalho com a lousa digital. Mas, egresso da Idade Média, confesso gostar do giz, e faço uma paródia com os dizeres tradicionais da liturgia quaresmal: “do pó de giz eu vim… ao pó de giz eu voltarei!”.


Professor medieval que sou, carrego livros para onde quer que eu vá. São pesados, certamente, mas não dependem de uma bateria recarregada. Ao mesmo tempo, com quanta alegria me dou conta de que posso ler no iPad centenas de livros que baixei outro dia sem sair da poltrona!


Professor midieval, imagino formas de aplicar as noções de multitarefa e de interação em minhas aulas e, quando menos espero, volto a ser os professores que um dia eu conheci, mestres cujo poder baseava-se na memória cultivada e na velha retórica.


Como professor medieval, percorro as lentas estradas da reflexão, e chegarei a encontrar uma pedra no meio do caminho.


Como professor midieval, pulo de janela em janela, vou de link em link, internauta sem destino.


Os ícones que o medieval que insisto ser ainda adora são diferentes dos ícones adorados pelo midieval em que afinal me tornei.


Cada vez mais tempo on-line, quero imitar leitores adolescentes que, ouvindo músicas no iPhone, devoram as páginas de Jogos vorazes.


*Gabriel Perissé é doutor em Filosofia da Educação (USP) e pesquisador do Núcleo Pensamento e Criatividade (NPC) – www.perisse.com.br

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN