Como é ser professor do ensino técnico em São Paulo

Seleção, formação e carreira de um docente das ETECs

Compartilhe
, / 1818 0
Shutterstock

Shutterstock

Dentro da educação básica paulista, as escolas técnicas tem se destacado como referenciais de qualidade e de oportunidade para os alunos do ensino médio. Segundo o Centro Paula Souza, autarquia responsável pela administração das Etecs no Estado de São Paulo, 3 em cada 4 alunos estão empregados até um ano depois de concluir o curso. São mais de 100 habilitações ministradas por 12.035 docentes, sendo 2.403 temporários.

Seleção
O processo seletivo para escolha desses profissionais é basicamente o mesmo para os mais diversos cursos, da agronomia ao marketing. “Como somos uma instituição pública, a seleção é feita por meio de concurso. Cada escola solta um edital, que normalmente inclui prova teórica, entrevista e aula-teste”, explica o coordenador da Unidade do Ensino Médio e Técnico do Centro Paula Souza, professor Almério Melquíades de Araújo.

Para Luciana Barros, o que realmente contou em sua aprovação foi a didática apresentada na aula teste. Formada em artes visuais, Luciana estava no segundo módulo da habilitação noturna de moda quando começou a dar aulas para os calouros do mesmo curso, no período vespertino. Seu caso se assemelha ao de grande parte dos docentes de cursos técnicos da Alemanha, também ex-alunos do próprio curso.

Veja também: Como funciona o bem-sucedido ensino técnico da Alemanha

Fotografia de Marco Minamoto

Luciana apresenta seu trabalho como Lú Barros | Fotografia de Marco Minamoto

“Quando entrei na Etec como aluna, não imaginava que depois de seis meses estaria dando aula lá, mas surgiu a vaga e acabei conseguindo”, conta a artista, que ministra aulas de desenho nos cursos de modelagem e comunicação visual na Etec Tiquatira, na zona leste de São Paulo.

Já na opinião do coordenador Melquíades de Araújo, a principal diferença entre um professor do ensino regular e outro de curso técnico é a experiência profissional fora da sala de aula. “Por mais que isso não seja um pré-requisito na seleção, [a experiência] se destaca no processo, ainda mais em uma disciplina prática”, explica. Araújo acredita ainda que a maioria dos professores da rede continue a exercer outras atividades profissionais para além da docência.

Foi o que aconteceu com o professor e analista de sistemas Anderson de Oliveira, que trabalhou dentro e fora da sala de aula ao mesmo tempo durante muitos anos, até que passou a se dedicar exclusivamente à educação.

Entusiasta do modelo de ensino técnico, Anderson já lecionou em Etecs de quatro cidades diferentes no Estado de São Paulo e atualmente é coordenador do eixo de Informação e Comunicação da Etec Professor Carmine Biagio Tundisi, em Atibaia. Em seus 12 anos de carreira, chegou a abandonar o magistério por um curto período, mas voltou assim que teve a oportunidade: “Tenho prazer em dividir experiências, é isso que me move”, conta.

Já para Luciana, o contato com o mercado de trabalho só veio depois da experiência como professora, quando começou a participar de exposições e tocar projetos pessoais no mercado de arte, com cursos particulares, e venda de ilustrações originais e cópias digitais de seus trabalhos.

Formação continuada
O Centro Paula Souza possui uma oferta de cursos presenciais e a distância. Segundo Melquíades Araújo, cerca de 50% dos professores passam por uma atualização técnica e pedagógica ao longo do trabalho. “Nós temos capacitações gratuitas praticamente todo mês”, relata Anderson.

Mesmo com a grande oferta, o projeto não atende com precisão todos os professores da rede, como demonstra o caso de Luciana. “Eu particularmente fiz capacitações voltadas mais para a parte pedagógica, porque não tem uma oferta grande na área específica de moda, por exemplo”, conta.

Araújo reconhece que os docentes demandam mais capacitações do que o Centro consegue oferecer. Isso ocorre por conta da distribuição geográfica e temática das capacitações, que nem sempre abrangem todos os locais do estado e cursos oferecidos. O coordenador ressalta que não existe uma obrigação contratual para que o professor esteja sempre estudando. Contudo, o profissional acaba buscando essa atualização, tanto pela exigência do mercado fora da academia como por demanda dos próprios alunos.

Carreira
Sobre a possibilidade de crescimento na carreira docente, o coordenador explica que existem avaliações periódicas, a cada 15 anos, que permitem um aumento no salário dos professores da rede paulista. “O Paulo Souza tem uma carreira bem própria, com seis faixas com crescimento horizontal. A cada período o professor passa por um processo de avaliação, e, se muda de faixa, ganha mais”, explica.

No início de carreira, um professor do Centro Paula Souza recebe atualmente R$ 3.979,66 por 34 horas-aula semanais, com 30% de hora-atividade e descanso semanal remunerado. Um docente que passe por todas as evoluções de carreira pode receber até R$ 10.769,44 mensais por essa mesma carga horária.

No curto prazo, Araújo destaca que o nome de uma instituição técnica, com cursos concorridos, pode agregar na carreira do professor. “Trabalhar em uma Etec hoje é currículo, é um aprendizado importante para o profissional”, afirma.

Com 32 anos, Anderson não planeja sair da Etec novamente: “Com a minha idade, o ambiente corporativo já não tem tanta abertura. E aqui, o próprio Centro oferece mestrado e oportunidade de dar aula também nas Fatecs”, avalia. Já Luciana, apesar de agora se dedicar também ao mercado externo, não abandona o gosto pela atividade pedagógica, tanto nos dois cursos em que trabalha na Etec, quanto em suas aulas particulares.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN