A tríade mentora

Fernando Azevedo, Anísio Teixeira e Lourenço Filho são os nomes-chave para se entender a educação brasileira a partir dos anos 20

Compartilhe
, / 943 0


Anísio Teixeira (de óculos) e Monteiro Lobato (à sua esquerda) nos EUA, na década de 20: o escritor apresentaria Teixeira a Azevedo

Para compreender as dimensões que concorrem para definir a educação brasileira na Era Vargas é necessário olhar com atenção seus intelectuais. São eles os construtores das idéias de nação. O Brasil pode ter adquirido uma nova face com Getúlio, este que a Academia Brasileira de Letras acolheu como membro em 1944, mas, principalmente, o Brasil transformou o pensamento de seus intelectuais em norte.

Três nomes são centrais nesse período em que a educação, mais do que necessária, foi apontada como panacéia para os males nacionais. Anísio Teixeira (1900-1971), Fernando de Azevedo (1894-1974) e Lourenço Filho (1897-1970) estavam entre os 26 signatários do Manifesto pela Educação Nova, de 1932. Os três amigos atuaram em frentes educacionais nos Estados brasileiros antes do início da Era Vargas. Mesmo que algum deles estivesse afastado do governo, especialmente durante o Estado Novo, era seu o pensamento que municiava as discussões sobre os rumos do ensino. Por defenderem a escola laica, obrigatória e única, precisavam acreditar que o Estado asseguraria essas condições ao ensino. Teria sido muito difícil compor uma idéia educativa abrangente para o Brasil se cada unidade da federação resolvesse impor suas crenças, raciocinavam.

Fernando de Azevedo, o mais velho entre os três, nasceu em Minas Gerais e teve formação jesuítica antes de se iniciar no jornalismo paulista. Em uma série de textos publicados no jornal O Estado de S. Paulo, levantou um inquérito sobre instrução pública com o objetivo de fundamentar a criação da Universidade de São Paulo, da qual foi um dos idealizadores. Era sociólogo e acreditava no poder de suas idéias como fator de mudança social. Fundou a Associação Brasileira de Educação (ABE) em 1924 e organizou o movimento pela reforma do ensino por meio das chamadas “Conferências de Educação”, em 1922.

Entre os “três cardeais da educação brasileira”, como os intitulou o importante educador do período Paschoal Lemme, Azevedo era quem melhor exercia o papel de administrador, avalia a historiadora da Educação Diana Gonçalves Vidal, que organizou sua correspondência com Anísio Teixeira no livro Na Batalha da Educação. Azevedo defendia a educação para o trabalho. Dizia-se socialista não certamente por inclinação marxista, mas porque imaginava o ensino para todos. Instituiu o curso pré-vocacional no quinto ano primário durante a reforma educativa que promoveu no Distrito Federal em 1926, à frente da Instrução Pública do Rio de Janeiro. Chamava de “confusão doutrinária” a dispersão do sistema educacional brasileiro; por essa razão, contribuiu para que os pioneiros atuas-sem nos rumos da política nacional para a educação. Vinha da elite, mas se ocupava de um projeto americano, inovador e democrático para o país.

Embora seu pensamento, pelo menos de início, não diferisse essencialmente daquele de Fernando Azevedo, o paulista Manoel Bergström Lourenço Filho ficou marcado como o responsável por ter levado a ferro e fogo a necessidade de coesão entre a política e a técnica. Era, entre os cardeais, o professor por excelência. Ocupava-se em entender como a psicologia influenciava as práticas pedagógicas, já que estudara dois anos de medicina depois de cursar a escola normal secundária.

Escolanovista pioneiro, Lourenço Filho logo se abrigou no projeto de Getúlio Vargas, mais pela especificidade de seu trabalho técnico e menos por uma convicção política forte, segundo crê Diana Vidal. Mas a história não é favorável a Lourenço Filho nesse sentido. Sua adesão ao getulismo parece desnecessária aos olhos contemporâneos.

“O Estado Nacional está feito; façamos agora os cidadãos do novo Estado”, frase escrita por Lourenço Filho em 1937 e reproduzida em seu livro Tendências da Educação Brasileira (1940), dá idéia do engajamento do autor à ditadura que se estabelecia. Em uma conferência feita a pedido do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), ele diz que a educação tem de deixar de ser um empreendimento do Estado, no sentido formal, para ser um empreendimento “sentido e desejado pelo povo”: “O ensino nas fábricas, a instituição da Juventude Brasileira, o provimento de cargos por concurso, o ensino regimental no exército, o serviço de trabalho, consagrado na Constituição, tudo revela, com clareza, essas novas e salutares tendências”.

A atuação do educador baiano Anísio Spínola Teixeira parece ser aquela que a história contemporânea reverencia com menos restrições. Aos 24 anos, o “filósofo” entre os três, já era chamado a assumir o posto de inspetor-geral de Ensino de seu Estado, o equivalente ao atual secretário estadual de Educação. Teixeira conheceu as metodologias européias em 1925 e, dois anos depois, aluno da Universidade Columbia, nos Estados Unidos, estabeleceu contato com as idéias pragmáticas do filósofo e pedagogo John Dewey. Em 1929, o escritor Monteiro Lobato, que o conhecera nos Estados Unidos, apresentou-o a Fernando de Azevedo como “a inteligência mais brilhante e o melhor coração que encontrei nesses últimos anos da minha vida”. Lobato e Anísio compartilhavam uma admiração pela América, “esse fenômeno novo no mundo”, segundo escreveu Lobato ao amigo Azevedo.

Para a historiadora Helena Bomeny, Anísio viu nos Estados Unidos um exemplo de sociedade democrática que já solucionara politicamente seu problema com a educação. Para ele, tratava-se de um país “que mostrava ser possível juntar pobres e ricos em uma mesma escola pública”. De volta ao Brasil em 1928, Anísio falava de sua experiência nos Estados Unidos como uma verdadeira “conversão”, a segunda em sua vida, desde que, nos tempos de escola, abraçara a causa jesuítica. Tornou-se ele próprio, tempos depois, um evangelizador desses princípios pragmáticos americanos a um grupo maior de educadores.


Lourenço Filho (à direita): preocupação com a influência da psicologia nas práticas pedagógicas

Em 1935, criou a Universidade do Distrito Federal, no Rio, e logo se refugiou de Getúlio dedicando-se aos negócios familiares de mineração em sua cidade natal, Caetité. Em 1946, tornou-se conselheiro da ONU para Educação, Ciência e Cultura e em 1947 retornou à Bahia, onde tomou posse como secretário de Educação. Lá, criou em 1950 o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, a Escola-Parque, conceito de integração entre aulas e atividades em período integral que seria repetido por seu amigo Darcy Ribeiro na construção dos Centros Integrados de Educação Pública, os Cieps, três décadas depois.

Diana Vidal crê que Anísio se distinguiu dos outros dois cardeais da educação porque a história o identificou com a esquerda política. Anísio foi perseguido por duas ditaduras, a do Estado Novo e a militar, e acabou morto em um suspeito acidente no elevador do prédio onde morava o amigo Aurélio Buarque de Holanda, em 1971. Mas não poderia ser classificado como socialista revolucionário, já que pregava a educação como um substitutivo da revolução. Tratava-se de um “liberal esclarecido”, atuante em favor do sistema educacional brasileiro, um visionário sedutor e grande político, que sabia negociar e ceder para que suas posições pela educação democrática fossem mantidas.

Ainda que essa faceta democrática esteja consagrada nos livros de história brasileiros, há quem veja com alguma dificuldade tal liberalismo. Jerry Dávila, brasilianista discípulo de Thomas Skidmore e autor de Diploma de Brancura (Política Social e Racial no Brasil – 1917-1945), é um desses. Dávila lamenta seu “quase total silêncio” sobre as questões envolvendo raça quando presidiu a reforma, expansão e administração do sistema educacional do Distrito Federal entre 1931 e 1935 (nesse ano, ele foi demitido e seu auxiliar Paschoal Lemme, preso). E nota que, ao implantar uma política americana, Teixeira omitia o fato de que ela originalmente se dirigia a uma nação segregada racialmente.


Fernando de Azevedo, um dos artífices da criação da USP, assina documento na Escola de Aplicação da universidade, em 1947

Para Dávila, o silêncio sobre questões de raça é a substância da política educacional implantada. Na prática, argumenta no ensaio “Sonhos Americanos, Realidades Autoritárias: Encontros entre a Sociedade Democrática de John Dewey e a Era Vargas”, Teixeira vislumbrou um sistema escolar que atuaria tecnicamente e seria administrado por técnicos. “Isto significava a falta de confiança no conhecimento local ou o envolvimento dos membros das comunidades atendidas pelas escolas. Isto também significava o desenvolvimento de um corpo docente e de administradores composto pelos melhores e mais brilhantes”, ele escreve.

Para Dávila, a meritocracia que Teixeira apoiava tornava o educador “discutível” em sua condição de reformador da educação do Brasil. “A visão que ele importou dos americanos não admitia a raça como um explícito fator de desigualdade social ou de oportunidades. Ao contrário, a busca da modernidade de Teixeira era branca por omissão.”

Diana Vidal não vê a posição de Dávila como exata.  Admite que Teixeira,  Azevedo e Lourenço Filho trabalharam a partir de uma visão elitista, mas não os classifica como racistas. Naquele tempo, ressalta, a idéia de corpo físico e mental era muito presente, daí a existência de clínicas escolares, gabinetes dentários, enfermeiras visitadoras e pelotões de saúde nas escolas. Contudo, embora o preconceito de classe existisse, não havia unidades especiais de ensino para negros, como acontecia nos EUA. Adotava-se um “padrão classe média” de higiene, que era um “padrão de ser branco”. O que acontecia, segundo Diana, é que as ações meritocráticas implícitas na realização dos testes de inteligência tinham “por efeito” separar negros e brancos, mas aprofundar essa divisão não teria sido a intenção inicial de  educadores como Anísio. (Rosane Pavam)

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN