A favor da vida

FIM DE PAPO | Edição 196 Bebedeiras sem controle e outras formas de violência promovidas no âmbito universitário merecem estudo a fim de combater …

Compartilhe
, / 877 0

FIM DE PAPO | Edição 196

Bebedeiras sem controle e outras formas de violência promovidas no âmbito universitário merecem estudo a fim de combater a flagelação da juventude

por Luciene Leszczynski, editora

A estúpida circunstância da morte de um estudante da Unesp de Bauru, no início de março, que morreu de tanto beber vodca em uma festa universitária, nos leva a uma reflexão que vai além da busca por culpados, assumindo contornos de análise do comportamento dos jovens e atitudes de grupos assemelhados. Mais do que a responsabilização de culpados, cabe investigar o porquê de barbáries como essa cometidas por nossos jovens justamente no momento em que toda uma vida pela frente se constitui.

Em artigo, na Folha de S.Paulo on-line, a jornalista Sabine Righetti cita uma pesquisa, realizada pela Universidade Harvard, que pode nortear estudos sobre o comportamento dos jovens universitários e orientar gestores educacionais em busca de soluções para combater os problemas de violência no meio. Segundo o estudo, feito com 17,5 mil estudantes de 140 campi nos Estados Unidos, metade dos universitários bebe exageradamente por farra. “Esses jovens são sete vezes mais propensos a fazer sexo sem proteção, dez vezes mais inclinados a dirigir bêbados e têm onze vezes mais chances de abandonar um trabalho ou curso do que os demais. Também têm maior possibilidade de ter problemas com a polícia ou com a segurança do campus da universidade onde estudam, de danificar propriedades, machucar e ser machucado”, aponta a jornalista.

O texto cita análise da especialista em assuntos de ensino superior Anne Mathews, mencionada no livro Bright College Years, que atribui a chegada à universidade como uma espécie de libertação para os jovens. Para a autora, isso justifica a maior incidência de problemas com bebidas e drogas entre os “bixos”. A pesquisa avança e aponta que cerca de 60% das estudantes que sofrem violência sexual ou estupro são bixos.

A fim de traçar políticas de combate a quaisquer tipos de violência, cabe às instituições de ensino superior fazer valer seu ambiente de pesquisa e se debruçar sobre estudos envolvendo o perfil comportamental dos alunos que chegam à universidade. Enquanto isso, campanhas de conscientização podem ser encampadas para prevenir que mais jovens se prejudiquem no afã da liberdade.

Comentários

comentários

PASSWORD RESET

LOG IN